Corinthians aposta em Jô contra Paysandu

Jô. É assim que atende a nova esperança de gols do Corinthians, que pega o Paysandu no domingo, em Belém. Poucas vezes o técnico Geninho e a diretoria torceram tanto para um atleta dar certo na equipe principal. Se isso acontecer, sonham em resolver dois problemas: o primeiro é corrigir o setor, que tem se mostrado pouco produtivo ao longo do Campeonato Brasileiro. O segundo é, finalmente, encontrar uma "sombra" para os titulares Gil e Liedson. Ambos, no momento, jogam apenas com o nome e só se sustentam no time pela falta de opções.Mas Jô, que nasceu João Alves de Assis Silva, ainda é uma aposta. Tem apenas 16 anos. É talentoso e, com sua habilidade, já se destaca nos treinamentos. A questão é se está preparado para lidar com o sucesso precoce. O medo de ?queimá-lo? antes da hora é a justificativa para Geninho ainda não ter permitido que atuasse mais do que alguns minutos na vitória sobre o Guarani, por 1 a 0.A questão é que a necessidade falou mais alto do que a prudência. Geninho e os dirigentes estão cansados de Gil e Liedson. O primeiro, não se sabe bem o motivo, transformou-se na síntese da desmotivação e da falta de produtividade. Desde a convocação para a seleção brasileira, então, nem se fala. O segundo, na ânsia (dele e dos empresários) de conseguir a todo custo transferência para a Europa, desconcentrou-se. Resultado: amarga jejum de sete partidas sem gols.Tem espelho? - Ninguém resistiu a tirar um sarro do goleiro Doni nesta sexta-feira. O ócio da suspensão o levou ao cabeleireiro. Deixou o salão com corte moicano, curto nas laterais e longo em cima e atrás. Para completar, pequenas tranças. "É sempre bom dar uma mudança no visual", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.