Corinthians aposta na defesa para seguir na Copa do Brasil

Time de Mano Menezes precisa de um empate na noite desta terça-feira contra o São Caetano para avançar

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2008 | 23h02

O Corinthians já disputou 27 jogos na temporada, e em 14 deles, a defesa se mostrou intransponível. Não levar gols do São Caetano no jogo desta terça, às 20h30, no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto (com acompanhamento do estadao.com.br), significa garantir vaga nas semifinais da Copa do Brasil. Como venceu o jogo de ida por 2 a 1, o time passa de fase se empatar ou perder por diferença de um gol, desde que marque pelo menos duas vezes. O Azulão passa se fizer 1 a 0 e leva a decisão para os pênaltis com 2 a 1, uma repetição do resultado do Morumbi. Veja também: Pintado promete esquema ousado nesta terça   Resultados e calendário da Copa do Brasil  Mano assina 'cheque em branco' para torcedor  Desde o título brasileiro de 2005 o corintiano não sabe o que é estar entre os quatro melhores de uma competição. Para voltar a sentir este doce gostinho, espera que Felipe, Carlos Alberto, Chicão, William e Fabinho voltem a formar o paredão defensivo que garantiu a zaga menos vazada do Campeonato Paulista, no qual levaram apenas 15 gols. Ciente de que o empate é bom, Mano estuda a entrada do volante Nilton na vaga de Eduardo Ramos - a volta de Perdigão, porém, já não está mais em seus planos. Ele não quer sua equipe trancada na defesa. "Não podemos entrar desde o início pensando no 0 a 0", diz. "Independentemente da formação, temos de buscar também os gols, jogar. Se ficarmos atrás, damos liberdade ao rival, ele vê que estamos frouxos e nos encurrala", observa.  São CaetanoLuiz; Leonardo, Lino e Tobi; Dede, Hernani, Galiardo, Rafinha e Rodrigo Ninja; Vandinho (Caiubi) e TutaTécnico: Pintado CorinthiansFelipe; Carlos Alberto, Chicão, William e André Santos; Fabinho, Eduardo Ramos (Nilton), Diogo Rincón e Lulinha; Dentinho e HerreraTécnico: Mano MenezesÁrbitro: José Henrique de Carvalho (SP)Estádio: Santa Cruz, em Ribeirão Preto (SP)Horário: 20h30Rádio: Eldorado/ESPN - AM 700 KhzTV: SporTV Papo bonito, bem ensaiado. Mas o treinador demonstra estar com o regulamento debaixo do braço. "Se fizermos um gol, os obrigamos a fazer dois para levar a decisão para os pênaltis. Anotando 2, teriam de marcar 4", explica. A confiança do alvinegro aumenta ainda mais observando todos os resultados do ano. Em apenas 3 das 27 partidas sua equipe saiu de campo com um placar no qual seria eliminada esta noite. Um, curiosamente, justamente contra o São Caetano (3 a 1 na segunda rodada do Paulistão). Apesar de o mando de jogo ser do São Caetano, quem estará em casa é o Corinthians. O torcedor do interior paulista promete grande festa e já acrescentou um nome à cidade. Hoje, o Estádio Santa Cruz será de "Ribeirão Preto e Branco". Serão 28 mil vozes empurrando o time, como ocorreu nas últimas partidas. "O torcedor não deixa de nos incentivar nunca, até mesmo em caso de time precavido. Eles reconhecem quando estamos fazendo de tudo por uma classificação", afirma Mano, não temendo por vias em caso de sua equipe se retrair. "Há uma classificação em jogo e isso é o mais importante." O treinador, contudo, deixa escapar um ar de preocupação nas palavras. E no campo, tentou arrumar o que mais vem lhe tirando o sono: as bolas altas, na qual sofreu dois gols do CRB, no sábado. Nesta segunda, dedicou grande parte do trabalho no setor defensivo com cruzamentos para o gol de Felipe. Não sofreu gols no trabalho, mas levou alguns sustos. "Quem errar menos, avança", filosofa.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansCopa do BrasilSão Caetano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.