Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Corinthians aproveita falhas e derrota São Paulo por 3 a 2 na arena

Alvinegro mantém escrita de não perder para o rival em jogos em casa e segue líder do Brasileirão

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2017 | 18h02

A Arena Corinthians, em Itaquera, foi novamente a fortaleza para o clube mandante e o terror para o São Paulo. No clássico deste domingo, pelo Campeonato Brasileiro, o time da casa ganhou por 3 a 2 e se consolidou como líder da competição ao explorar as falhas do adversário. O resultado manteve a escrita de que na nova casa alvinegra, a equipe tricolor não consegue vencer.

 São agora sete jogos sem ganhar na arena rival. A nova chance para acabar com a escrita será só no próximo ano. O tabu permaneceu por mais um clássico porque um time instável se viu superado por outro mais consistente e preparado para explorar os erros adversários. O Corinthians jogou com a segurança de que uma hora o São Paulo daria espaços e seria possível aproveitar. E o líder do Brasileiro quase não vacila.

Apesar de clássicos terem como panorama serem um duelo à parte da competição, o resultado foi muito coerente às campanhas dos times. O Corinthians continua invicto e foi à sexta vitória seguida. Já o São Paulo, perdeu a terceira fora de casa, embora quase tenha empatado nos minutos finais.

Os rivais se enfrentaram pela quarta vez no ano. Portanto, tinham a clara noção de como poderiam surpreender as já conhecidas armas adversárias. O São Paulo, por exemplo, tentou apostar no trio de zagueiros Maicon, Douglas e Lucão. Foi um fracasso. Em 15 minutos foram quatro chances claras do Corinthians, desentrosamento são-paulino e gol alvinegro, com Romero, aos seis minutos.

O show de falhas do São Paulo parecia um desastre ininterrupto até o empate equilibrar a partida. Após desperdiçar tantas chances, o Corinthians viu Gilberto igualar aos 17 minutos, ao completar de cabeça cobrança de falta em posição irregular. O empate parcial forçou um equilíbrio de forças, pois o time tricolor se viu mais confiante e organizado. A defesa parou de dar sustos por alguns minutos.

O consistente Corinthians não ficou inseguro com a evolução adversária em campo e à espera do momento de dar a ferroada, viu novamente a defesa são-paulina contribuir. Maicon errou um passe, Jô saiu livre e finalizou. No rebote do goleiro, Lucão vacilou e a bola ficou para  Gabriel completar para as redes, aos 39 minutos. 

Após ousar na escalação, Ceni desfez o sistema de três zagueiros no intervalo. O São Paulo passou a ter uma formação mais convencional, o 4-3-3, com o lateral-direito Bruno na vaga de Lucão e na esperança de não ter mais apagões na defesa.

A mudança melhorou o time, mas não resolveu. O Corinthians conseguiu ampliar de pênalti, com Jadson, aos 17 minutos da etapa final, desta vez sem precisar contar com algum presente são-paulino. 

Mesmo atrás no placar, a equipe de Ceni buscou a reação e quando diminuiu, com Wellington Nem, aos 37, causou um sufoco e pressionou bastante em busca do empate. O fim do jogo foi o único momento em que o Corinthians pareceu inseguro, mas por estar na sua fortaleza segurou o resultado.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 3 X 2 SÃO PAULO

CORINTHIANS (4-5-1): Cássio; Paulo Roberto, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Jadson (Camacho), Marquinhos Gabriel (Clayson) e Romero (Clayton); Jô. Técnico: Fábio Carille.

SÃO PAULO (3-5-2): Renan; Douglas, Lucão (Bruno) e Maicon; Marcinho, Jucilei, Militão, Cícero (Wellington Nem) e Júnior Tavares; Gilberto (Thomaz) e Pratto. Técnico: Rogério Ceni.

Gols: Romero, aos 6, Gilberto, aos 17, e Gabriel, aos 39 minutos do primeiro tempo; Jadson, aos 17, Wellington Nem, aos 38 minutos do segundo tempo.

Juiz: Ricardo Marques Ribeiro.

Cartões amarelos: Cícero e Guilherme Arana.

Público: 42.443 pagantes.

Renda: R$ 2.386.356,00.

Local: Arena Corinthians, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.