Corinthians: atletas fogem do carnaval

Os jogadores do Corinthians estão inseguros, amuados e envergonhados. A troca de comando provocou mudanças no comportamento de boa parte deles logo no primeiro dia de trabalho do técnico Oswaldo de Oliveira. Hoje, depois do treino, os atletas deixaram o gramado do Centro de Treinamento do Parque Ecológico com uma convicção: não vão pular o carnaval. E se existe alguém que pensa o contrário, não se manifestou. A linha de raciocínio é simples. A maioria só conhece o novo treinador por meio de conversas com companheiros que já trabalharam com ele, casos do volante Freddy Rincón, do atacante Gil e do zagueiro Marquinhos. Porém, nunca conviveram com Oswaldo. Assim, é melhor não arriscar antes de saber exatamente com quem estão lidando. Como se não bastasse, a situação do time no Campeonato Paulista é constrangedora. O Corinthians é o lanterna do Grupo 1, com cinco pontos, embora esteja a apenas dois do segundo colocado. Por isso, ser flagrado em salões ou na avenida comemorando sabe-se lá o quê não pegaria bem diante da opinião pública. Sobretudo a corintiana. E o próximo jogo está marcado para dia 26, no Pacaembu, contra o Juventus. O negócio é esperar a fase melhorar para, então, ficar mais solto socialmente. Antídoto óbvio - É impossível discutir a importância do gol no futebol - corre-se o risco de cair no ridículo. Porém, no primeiro treino sob seu comando, Oswaldo percebeu que, nesse momento, os gols representam muito mais do que o caminho para três pontos. Na verdade, o novo treinador está assustado. Não imaginava que o abatimento do grupo fosse tão acentuado. Então concluiu: o time precisa recuperar a autoconfiança, principalmente os atacantes. Assim, goleada, com boa atuação de Régis, Gil e Dinélson, seria o ideal. Óbvio? Sem dúvida. Mas que ajudaria bastante, isso ajudaria. O que fez Oswaldo, então? Dividiu o time em dois. De um lado a parte ofensiva, com atacantes e meias ao seu comando. Do outro, a defensiva. Seu irmão e assistente técnico, Waldemar Lemos, orientou zagueiros, volante e laterais. Oswaldo quer gols e, mais do que isso, quer um grupo confiante. "É bom esse sistema. Precisamos voltar a fazer gols", afirmou o atacante Gil, que deve voltar à equipe após se recuperar de inflamação no púbis. Sinceridade - Uma declaração do volante Rincón chamou a atenção de todos hoje. Quando lhe foi perguntado sua opinião sobre Oswaldo, o colombiano surpreendeu pela sinceridade. "O Oswaldo está entre os melhores treinadores, mas minha maior referência é o Vanderlei (Luxemburgo). Para mim ele é o melhor técnico do Brasil", afirmou. Detalhe: Rincón foi eleito capitão do time por Oswaldo. "Não sou político para ficar falando aquilo que não quero falar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.