Corinthians avisa: Emerson Leão não será procurado

A situação de Antônio Lopes no Corinthians é péssima. O diretor da MSI, Paulo Angioni, não garante a permanência do treinador se o time perder nesta quarta-feira, às 22 horas, para o Deportivo Cali, na Colômbia. Quando Lopes estiver sentado no banco de reservas, comandando a equipe que estréia na Copa Libertadores, pode ter uma certeza: Leão não será de maneira alguma o seu substituto. A novidade, nesta terça, foi a tomada de postura da Diretoria da MSI em relação às declarações de Leão. O técnico do Palmeiras havia garantido estar esperando um convite para assumir.Quem manda no futebol do clube decidiu que a postura a ser tomada em relação a Leão é a mesma que foi adotada com Vanderlei Luxemburgo. As portas do Parque São Jorge estão fechadas também para o técnico palmeirense.Os motivos são muito e graves: quando Kia Joorabchian convidou Leão para trabalhar no Corinthians, ele não sabia que o técnico detesta trabalhar com argentinos. Mesmo em Buenos Aires essa aversão é famosa. É impossível entregar a ele o caríssimo elenco, cujas principais estrelas são Tevez e Mascherano.A cúpula da MSI ficou irritadíssima quando soube que Leão havia antecipado um convite ontem. Ao agir assim, o técnico palmeirense só conseguiu constranger os dirigentes, que juravam nem pensar em convidá-lo.O contato entre Kia e Leão não foi nada agradável. O iraniano tentou contratá-lo quando o técnico deixou o São Paulo e foi trabalhar no Japão. Na conversa sobre trabalho, de acordo com pessoas ligadas a Kia, Leão teria feito várias exigências, como um salário altíssimo, maior do que os são pagos na Europa, e ainda ter o direito de levar membros de sua comissão técnica. Além de avisar que não admitiria nenhuma influência no seu trabalho. Nem mesmo as visitas costumeiras que Kia faz ao vestiário após as partidas ? principalmente em dia de derrota.A situação de Leão tem relação com o que aconteceu com Vanderlei Luxemburgo, que recusou dois convites ? no último, havia acertado contrato por três anos, quando foi chamado pelo Real Madrid. Foi embora, sem ao menos se justificar com Kia. O presidente da MSI detesta ter um convite seu recusado. Quando Leão não quis deixar o seu compromisso com o futebol japonês para trabalhar no Parque São Jorge, ele conseguiu a inimizade de Kia.Na Colômbia, os dirigentes corintianos conversaram muito no jantar de segunda e no almoço desta terça sobre as declarações de Leão. Alegaram que sempre que está com problema em algum clube, o técnico procura outra oferta para sair. Acharam que foi assim no São Paulo e no Santos. Só que desta vez não acontecerá o mesmo no Corinthians.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.