Arquivo/AE
Arquivo/AE

Corinthians avisa que usará reservas contra o Atlético-PR

Intenção é evitar desgate maior do time, visanto a final da Copa do Brasil na semana que vem

Fabio Hecico, O Estado de S. Paulo

22 de junho de 2009 | 10h01

Vencer o clássico (3 a 1) diante do São Paulo significava muito mais para o Corinthians do que apenas aumentar a crise no rival. Seria poder abrir mão ds titulares no confronto com o Atlético-PR, sábado, em Curitiba, sem estar sob ameaça de entrar na zona de rebaixamento. "Temos de comemorar muito o resultado, pois agora podemos deixar a base titular se preparando para a finalíssima", comemorou Mano Menezes, sem esconder. "Vamos usar contra o Atlético uma equipe bem diferente desta", adiantou.

Veja também:

linkDiscussão entre treinadores marca clássico

linkJogadores do Corinthians criticam faltas

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela / tabela Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O Corinthians vai para Curitiba na sexta-feira. Na capital paranaense fará toda sua preparação para o confronto decisivo da Copa do Brasil, contra o Internacional, no qual leva vantagem de 2 a 0 no Pacaembu. Apenas na terça-feira à noite os corintianos desembarcam em Porto Alegre. Nada de sofrer com a clássica pressão gaúcha que antecede os duelos finais.

"Temos de saber usar a experiência que adquiri quando trabalhava no Sul", enfatizou Mano, que dirigiu o Grêmio por quase três temporadas.

Sobre o clássico, o discurso entre os corintianos é o de que a equipe mereceu a vitória e sem menosprezar o rival, apesar das trocas de passes e gritos de olé da torcida. "Nossa equipe é muito forte nos passes, mas sempre joga para a frente", garantiu o volante Elias.

O jogador ainda fez questão de reclamar do excesso de violência de alguns são-paulinos em alguns lances. "Eles tinham de saber que era outra competição. Trouxeram o nervosismo da eliminação para campo", protestou, lembrando da queda na Libertadores. Um dos alvos era o zagueiro André Dias, com o qual trocou empurrões e algumas palavras impublicáveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.