Corinthians bate Figueirense de virada

O Corinthians venceu hoje pela segunda vez no Campeonato Brasileiro. E foi a segunda virada. Desta vez, o adversário foi o Figueirense, que vinha com o moral de ter eliminado o time paulista da Copa do Brasil. Mas desfalcado de cinco titulares, nem mesmo a atuação destacada do goleiro Edson Bastos conseguiu impedir que o time do técnico Márcio Bittencourt chegasse aos 2 a 1, no Pacaembu, e melhorasse um pouco mais sua situação na classificação, agora com sete pontos. A equipe de Santa Catarina segue na penúltima colocação, sem vitórias e com apenas um ponto. O primeiro tempo marcou um duelo particular do ataque corintiano com o goleiro Edson Bastos. Foram dez defesas: três delas espetaculares. O Corinthians sem Carlos Alberto e Gil, machucados, tinha Rosinei e Gustavo Nery para conduzir a bola. A armação era de Roger, que mostrou mais vontade do que na época de Daniel Passarella. No ataque, Bobô teve várias oportunidades, que pararam nas mãos do goleiro catarinense, enquanto Tevez, como de costume, não desistia de nenhum lance, apesar do frio. No gol, Júlio César, que fez sua estréia como profissional, só pegara na bola uma vez até os 16 minutos, quando um longo e despretensioso, mas certeiro chute do lateral-esquerdo Michel Bastos, de perna direita, abriu o placar no Pacaembu. A desvantagem não desequilibrou o time do Parque São Jorge, que seguiu buscando os gols, com apoio de oito mil torcedores. E ele veio com a primeira finalização de Tevez na partida. O argentino aproveitou um cruzamento de Coelho para empatar a disputa. Apesar da grande atuação nos primeiros 45 minutos, Edson Bastos demonstrava preocupação com o segundo tempo. "Fui bem até agora, mas o jogo ainda não acabou. Tomamos um gol que não poderia ter saído", desabafou. Se o goleiro reclamou do primeiro gol, o que falar do primeiro lance, o mais importante do segundo tempo. Falta para o Corinthians, Roger cobra e a barreira do Figueirense abre: 2 a 1. Na frente do placar, o Corinthians deixou de marcar a saída de bola do adversário. Com isso, proporcionou oportunidades ao Figueirense. Rudinei, de longe chegou a assustar Júlio César. Michel Bastos tentou mais uma vez, mas o jovem goleiro mostrou segurança. O time catarinense abusava das faltas, apoiado na péssima atuação do juiz amazonense Washignton de Souza, que entre outros erros não marcou um pênalti em Tevez.. Flávio, Axel e Carlos Alberto distribuíam pontapés no meio-de-campo, principalmente em Roger. Mas foi Bebeto que acabou recebendo o cartão vermelho. Violento e com um jogador a menos, o Figueirense pouco produziu. O Corinthians tocou a bola e esperou o tempo passar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.