Jeferson Guareze/AGIF
Jeferson Guareze/AGIF

Corinthians bate o Grêmio e dispara na liderança do Brasileirão

Alvinegro abre quatro pontos de vantagem para gaúchos com vitória no Sul; Jadson faz gol do triunfo e Cássio pega pênalti

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2017 | 18h07

Está difícil parar o Corinthians no Campeonato Brasileiro. Nem o Grêmio, tido por muitos como um time melhor, conseguiu. Mesmo jogando em casa. Neste domingo, na Arena, tornou-se mais uma vítima do futebol pragmático, competitivo e disciplinado taticamente do time paulista. O Alvinegro venceu por 1 a 0, manteve a invencibilidade, subiu para 26 pontos na classificação, agora quatro a mais do que o próprio Grêmio, e se impõe cada vez mais na competição.

O Corinthians teve como grandes personagens uma figura conhecida, o goleiro Cássio (pegou até pênalti) e outra improvável. Paulo Roberto só jogou porque Gabriel estava suspenso e foi fundamental para a vitória.

Jogando em casa, o Grêmio tomou a iniciativa e o Corinthians começou marcando atrás. Os gaúchos, no entanto, não conseguiram furar o bloqueio dos paulistas que, quando tinham a bola, não encontravam espaços para jogar. Com o passar do tempo, Fábio Carille determinou que o Corinthians também marcasse mais à frente, mas não deu muito certo. O Grêmio continuou saindo para o jogo. Mas até a entrada da área rival. Dali, invariavelmente, não passava.

E foi do Corinthians a primeira chance real de gol. Ocorreu graças a um erro de passe na saída de bola gremista. O volante Paulo Roberto roubou a bola, penetrou de surpresa, passando por dois adversários e só foi parado pela excelente defesa de Marcelo Grohe. A resposta do Grêmio, quatro minutos depois, não foi na mesma proporção. Luan cobrou falta da esquerda, mas errou o alvo, chutando à direita de Cássio.

As duas conclusões seguintes do time gaúcho foram muito mais perigosas. Aos 20, Pedro Rocha bateu de fora da área e Cássio se esticou todo para colocar para escanteio; aos 22, Geromel perdeu um gol incrível, livre na pequena área, ao errar o alvo após um escanteio.

O Corinthians estava acuado, tinha dificuldade para organizar jogadas ofensivas. Jô, isolado na frente, pouco participava da partida. O jeito, então, era tentar de longe, como fez Maicon aos 29 minutos, chutando da intermediária. O lance parecia despretensioso, mas o quique da bola já na área obrigou Grohe a trocar a tentativa de encaixá-la por um toque a escanteio.

Nos 15 minutos finais, a partida ficou bastante equilibrada. O Corinthians tentou as jogadas pelos lados, reclamou de um pênalti de Cortez em Fagner, num “enrosco’’ na área, teve uma falta clara de Geromel em Romero não assinalada pelo juiz Wilton Pereira Sampaio, mas, pelo que produziu, não tinha mesmo muita chance de chegar ao gol na etapa.

No intervalo, Fábio Carille pediu a seus jogadores que adiantassem a marcação. A instrução de Renato Gaúcho foi para explorar mais a velocidade, sobretudo pelo lado esquerdo do ataque, com Pedro Rocha. Ambas as equipes tentaram fazer o que seus técnicos pediram, mas foi o fator surpresa que colocou o Corinthians em vantagem, logo aos seis minutos.

Paulo Roberto, que já havia feito uma bela arrancada na primeira etapa, arrancou de novo, deixou Luan e Geromel para trás e, da lateral da área, pelo lado esquerdo, cruzou. Jô não conseguiu dominar, mas a bola ficou limpa para Jadson bater rasteiro, entre as pernas de Marcelo Grohe.

Atrás no placar, o Grêmio tentou partir para o sufoco. Mas o Corinthians é equipe bem montada, fria, com jogadores conscientes, e tratou de cortar os espaços gremistas. Além disso, quando conseguiu furar o bloqueio defensivo dos paulistas, o Grêmio encontrou Cássio. Foi o que aconteceu aos 19 minutos, quando Pedro Rocha encontrou Luan na entrada da pequena área. O atacante tocou de bico, a curta distância. Cássio nem deu rebote.

Renato Gaúcho, então, procurou tornar sua equipe mais ofensiva, colocando um atacante, Fernandinho, no lugar de um volante, Arthur. Carille respondeu tirando o já desgastado Rodriguinho e colocando Marquinhos Gabriel. Estava difícil furar a defesa corintiana e Renato ousou ainda mais, colocando mais um atacante, Everton, no lugar do lateral direito Edílson.

Mas a grande chance do Grêmio foi um jogador do Corinthians, Marquinhos Gabriel - acabara de entrar no lugar de Rodriguinho - quem deu: em uma cobrança de escanteio, ele puxou de maneira infantil Geromel na área. Pênalti claro. Aí, Luan, o craque do time, cobrou. Pessimamente. Bateu fraco e Cássio, uma barreira, defendeu.

Aí, o nervosismo tomou conta de vez dos gremistas. E o Corinthians, experiente, concentrado, venceu mais uma e abriu vantagem na liderança. Como única chateação, perdeu Romero, que levou o terceiro cartão amarelo, para o jogo de domingo, contra o Botafogo.

FICHA TÉCNICA

GRÊMIO 0 x 1 CORINTHIANS

Gol: Jadson, aos 6 minutos do segundo tempo.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson (Everton), Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Michel, Arthur (Fernandinho), Ramiro, Luan e Pedro Rocha (Gastón Fernandez); Lucas Barrios. Técnico: Renato Gaúcho.

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pablo, Balbuena e Guilherme Arana; Paulo Roberto (Camacho), Maycon, Jadson, Rodriguinho (Marquinhos Gabriel) e Romero (Clayson); Jô. Técnico: Fábio Carille.

Juiz: Wilton Pereira Sampaio (GO).

Amarelos: Kannemman, Rodriguinho, Cássio, Romero (3º), Edílson (3º), Geromel, Jô.

Público: 50.116 Pagantes.

Renda: R$ 2.093.208,00.

Local: Arena Grêmio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.