Corinthians bate o São Paulo de virada no Morumbi com pênalti polêmico

Agora, o foco das duas equipes vai para a disputa da rodada decisiva da Copa Libertadores

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Agência Estado

31 de março de 2013 | 17h56

SÃO PAULO - O

Taticamente o São Paulo era muito bem organizado. Segurava-se bem atrás, apesar de alguma deficiência na marcação no meio-campo, e quando tinha a bola no ataque criava chances reais. Aos 19, por exemplo, Jadson enganou toda a zaga e inverteu para Osvaldo. O atacante poderia dominar, pensar, e bater, mas preferiu chutar de primeira, antes que a bola caísse, e mandou para longe.

Não fosse o preciosismo, o São Paulo poderia ter saído do primeiro tempo vencendo com um amplo placar. Num lance Ganso deu bela enfiada para Jadson, que tentou devolver ao invés de chutar. A zaga tirou. Em outro, Ganso é quem teve espaço para arriscar na área, mas preferiu dar para Luis Fabiano. Mais uma vez a zaga teve tempo de recuperação.

Ganso e Jadson faziam ótimo jogo, mas chutavam pouco. Danilo jogava muito mal, mas pelo menos ele tentou. E acertou. Aos 41, o Corinthians bateu uma falta com rapidez, Emerson recebeu pela direita e inverteu o jogo. Danilo dominou, cortou para dentro e arriscou de primeira. Colocou no ângulo de Rogério Ceni, sem chances de defesa.

O placar mudou, mas o panorama do jogo seguiu o mesmo no segundo tempo. Paulo Henrique Ganso ditava um ritmo lento, mas eficiente para o São Paulo. A troca de passes no campo ofensivo era com paciência. Em dois lances a bola chegou até Luis Fabiano, na cara de Cássio. Nas duas o auxiliar anotou impedimento (bom para o atacante, que errou os dois chutes).

Rogério Ceni não parecia no mesmo ritmo do restante do time. No primeiro tempo ele já havia entregue uma saída de bola para Ralf. Na segunda etapa, foi dar um chutão na pequena área, furou, e só não levou o gol porque a bola bateu na sua outra perna.

E foi numa falha do goleiro que nasceu o segundo gol corintiano. Toloi recuou uma bola na fogueira para Rogério, que atrasou o chute e permitiu a Pato chegar antes. O atacante bateu na bola e o são-paulino chutou a sola do seu pé. Pênalti que gerou cerca de sete minutos de reclamação e um amarelo para Ceni. Pato mesmo cobrou e fez.

Apesar do tempo perdido com o pênalti, o árbitro só deu cinco minutos de acréscimo. Com Wallyson e Douglas nos lugares de Paulo Miranda e Maicon, o São Paulo foi para cima, agora com muito menos paciência do que no restante do jogo. Na única boa chance, Osvaldo cruzou, Wallyson tentou pegar Cássio no contrapé, mas o goleiro foi espero e segurou.

SÃO PAULO 1 X 2 CORINTHIANS

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Paulo Miranda (Douglas), Rafael Toloi, Edson Silva e Thiago Carleto; Denilson (Wellington), Maicon (Wallyson), Paulo Henrique Ganso e Jadson; Osvaldo e Luis Fabiano. Técnico - Ney Franco.

CORINTHIANS - Cássio; Alessandro, Paulo André, Gil e Fábio Santos; Paulinho, Ralf, Danilo e Romarinho (Edenilson); Emerson (Jorge Henrique) e Guerrero (Alexandre Pato). Técnico - Tite.

GOLS - Jadson, aos 5, e Danilo, aos 42 minutos do primeiro tempo. Alexandre Pato, de pênalti, aos 36 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Leandro Bizzio Marinho.

CARTÕES AMARELOS - Thiago Carleto, Rogério Ceni, Paulo Henrique Ganso, Alexandre Pato, Emerson e Alessandro.

RENDA - R$ 708.080,00.

PÚBLICO - 20.930 pagantes.

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.