Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Corinthians não terá Vitor Pereira em desafio importante contra o Boca Juniors pela Libertadores

Equipe brasileira está empatada em pontos com rival argentino, Deportivo Cali e Always Ready no Grupo E da competição sul-americana

Pedro Ramos, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2022 | 05h00

Enquanto tenta se adaptar ao trabalho do técnico Vitor Pereira, o Corinthians tem um jogo importante contra o Boca Juniors, nesta terça-feira, às 21h30, na Neo Química Arena, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. O treinador deve ser ausência na beira do campo após ter testado positivo para covid-19 na segunda-feira. A equipe será comandada pelo auxiliar Filipe Almeida.

A equipe vem de uma atuação ruim na derrota por 3 a 0 para o Palmeiras, no último sábado, pelo Brasileirão. O resultado negativo marcou a quinta derrota em clássicos do time no ano e, claro, aumenta a pressão para obter melhores resultados.

As oscilações recentes do Corinthians expõem, além de etapas que fazem parte de um processo de trabalho que demanda tempo de adaptação, um elenco desequilibrado. Quando há necessidade de rodar a equipe, devido ao calendário apertado e a idade avançada de vários jogadores veteranos, a qualidade do time cai. Enquanto nomes de peso são referências técnicas e elevam o nível da equipe, outros ainda não conseguem ser substitutos à altura.

A expectativa era de força máxima contra os argentinos, mas o zagueiro Gil será ausência por gripe. O lateral-direito Fagner esteve fora contra o Palmeiras e deve voltar ao time titular. Na lateral esquerda, Vitor Pereira tem Fabio Santos e Lucas Piton como opções. Do meio-campo para frente, há dúvidas. Du Queiroz, Maycon, Paulinho, Giuliano, Renato Augusto, Róger Guedes, Willian, Mantuan e Jô brigam por seis vagas.

Em entrevista coletiva na segunda-feira, o presidente Duílio Monteiro Alves defendeu a importância de dar tempo de trabalho ao treinador e disse que o português ainda não encontrou o time ideal.

"O Vítor vem tentando achar uma forma de jogar, com uma mescla dos mais jovens com mais experientes, não dá para falar que ele poupou jogadores (diante do Palmeiras). Não se pode falar que o treinador preferiu guardar forças para o jogo contra o Boca", analisou.

Com dois jogos disputados na Libertadores, o Corinthians está empatado em pontos com Deportivo Cali, Boca Juniors e Always Ready, todos com três pontos no Grupo E. Mas pelo saldo de gols negativo, a equipe ocupa a última posição.

Boca Juniors tem desfalques e dúvidas na escalação

A torcida do Boca Juniors esgotou os ingressos para o setor visitante para o duelo desta terça. O time sofre de atuações irregulares neste início de ano, sob comando do técnico e ex-jogador do time Sebastian Battaglia, e sabe da importância de pontuar fora de casa na Libertadores. A equipe de Buenos Aires vem de sete vitórias, seis empates e duas derrotas no ano e tem sofrido com lesões no elenco. 

O time argentino tem mudanças na escalação. Na zaga, Marcos Rojo está suspenso, e a dupla deve ser formada por Zambrano e Aranda, que ainda não jogaram juntos. Como o goleiro titular Agustín Rossi segue lesionado, o experiente Javier Garcia, de 35 anos, estará em campo.

O artilheiro Dario Benedetto é uma arma, provavelmente, para o segundo tempo. Sem espaço no Olympique de Marselha, da França, o atacante voltou ao clube argentino em janeiro e já marcou seis gols em 11 jogos, mas é dúvida entre os titulares. Quem começa jogando no meio-campo é Óscar Romero, irmão gêmeo do ex-corintiano Angel Romero.

Último duelo foi marcado por erros de arbitragem

O equilíbrio marca o histórico de confrontos entre Corinthians e Boca Juniors. São seis vitórias argentinas, cinco empates e quatro triunfos brasileiros. O último duelo entre as equipes foi marcado por polêmicas da arbitragem. Em 2013, também pela Libertadores, dois gols mal anulados e um pênalti claro não marcado pelo jogo de volta das oitavas de final, no Pacaembu, encerraram precocemente o sonho corintiano de avançar na competição. Fábio Santos e Paulinho são os remanescentes do time naquela partida.

O trio de arbitragem paraguaio liderado pelo árbitro Carlos Amarilla foi bastante criticado pela atuação na partida. Dois anos depois, a rede de televisão América TV exibiu uma série de escutas telefônicas do ex-presidente da Associação Argentina de Futebol (AFA), Julio Grondona, morto em 2014, que revelam seu envolvimento em diversos escândalos. Em uma dessas gravações, Grondona faz referência ao confronto. A escuta indica que o ex-dirigente teria influenciado para que Amarilla apitasse a segunda partida daquele jogo eliminatório. 

"Saiu bem no fim, ninguém queria este louco de m... e no fim o maior reforço que o Boca teve no último ano foi o Amarilla", disse Grondona em conversa com Abel Gnecco, representante argentino na comissão de árbitros da Conmebol.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS - Cássio, Fagner, Raul Gustavo, João Victor e Lucas Piton; Maycon, Du Queiroz (Paulinho) e Renato Augusto; Willian, Róger Guedes e Jô. Técnico: Vitor Pereira.

BOCA JUNIORS  - García; Advíncula, Zambrano, Aranda, Fabra; Medina, Fernández, Ramírez;  Romero; Salvio e Vázquez (Benedetto). Técnico: Sebastian Battaglia.

HORÁRIO - 21h30

LOCAL - Neo Química Arena

TV - SBT, ESPN.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.