Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Corinthians busca contratar 'novo Gil' para rejuvenescer a defesa

Clubes tenta trazer o zagueiro Cléber, da Ponte Preta, para se prevenir de possíveis saídas

Vítor Marques, O Estado de S. Paulo

13 de junho de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - A investida do Corinthians no zagueiro Cleber, da Ponte Preta, representa o interesse da diretoria, com o aval da comissão técnica, de renovar o setor defensivo do time.

O Corinthians busca um “novo Gil”, que chegou no início do ano e virou titular. Ele estava no Valenciennes, da França, e completou 26 anos ontem. Cleber, da Ponte Preta, tem 23. Chicão, 32 anos, pode até ser negociado porque seu contrato termina em dezembro. Ele já afirmou que poderia assinar um pré-contrato com outro clube. Hoje ele é reserva.

Já Paulo André, 29 anos, pode fazer sua última temporada como titular - as lesões musculares voltaram a atrapalhar a sequência de jogos.

A diretoria do Corinthians admite que observou Cleber, mas afirma que ainda não fez uma proposta oficial para a Ponte Preta. O clube de Campinas até estipulou uma multa de R$ 8 milhões pelo jogador - valor considerado alto pela diretoria do corintiana.

O zagueiro Wanderson, de 22 anos e que estava no Sertãozinho, esteve perto de assinar contrato, mas foi reprovado nos exames médicos por causa de uma lesão no joelho. Nas laterais, Alessandro pode se aposentar no final do ano. A reposição será mais fácil porque Edenílson é considerado um sucessor para virar titular.

Para a lateral-esquerda, Fábio Santos ainda não tem uma “sombra”, mas a comissão técnica aposta em Igor, jovem lateral de 21 anos e que foi formado nas categorias de base.

Ainda inexperiente, Igor se recuperou de uma lesão no joelho direito e vai ganhar chance de entrar quando Fábio Santos não puder jogar, como foi contra a Portuguesa, evitando que Tite improvise no setor.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.