Corinthians cobra dívida de rivais

Com o orçamento para 2002 ainda indefinido - a parceira Hicks Muse Tate & Furst (HMTF) se mostra reticente em liberar recursos -, a diretoria do Corinthians decidiu cobrar seus devedores. Essa foi a forma encontrada para conseguir dinheiro e, assim, tentar reforçar a equipe que, a partir do dia 3, se reapresenta para iniciar a pré-temporada. A primeira competição agendada é o Torneio Rio-São Paulo. O campeonato começa no dia 19. A estréia da equipe do Parque São Jorge será no dia seguinte, diante do Fluminense, no Rio.Os principais alvos dos corintianos são Flamengo, Grêmio e Santos. Os cariocas estão em débito por causa da transferência do meia Edílson. Devem aos paulistas US$ 2,25 milhões (cerca de R$ 5,3 milhões). Já os gaúchos não conseguem arrumar US$ 1 milhão (R$ 2,35 milhões) para ficar com 50% do passe do atacante Luís Mário. O time da Baixada Santista, por sua vez, é cobrado ainda pela negociação que envolveu o colombiano Freddy Rincón, no ano passado. O Corinthians alega que tem R$ 1,2 milhão para receber do arqui-rival.Ou seja, se contar apenas com o que pode receber de seus três principais devedores, a diretoria alvinegra embolsa, aproximadamente, R$ 9 milhões. Pode não ser suficiente para contratar um medalhão, mas certamente vai ajudar a reforçar o limitado grupo que vai ficar à disposição de Carlos Alberto Parreira.Se não receber o dinheiro, o Corinthians pretende reintegrar os jogadores. Luís Mário pode voltar ao clube a qualquer momento. Já o retorno de Edílson é considerado complicado. O salário do meia estaria muito acima do teto estipulado pela direção. Rodrigo, do Botafogo-RJ, de fato foi sondado, mas o negócio só será retomado quando o vice-presidente de Futebol, Antônio Roque Citadini, retornar das festa de réveillon.Após sua apresentação como treinador do Corinthians para a temporada 2002, realizada no dia 24, Parreira recebeu um ?presente?. Trata-se de fitas de vídeo com gravações do desempenho de vários atletas, já integrados ao time e também daqueles que estão emprestados. "Só depois da análise dele (Parreira) vamos nos sentar para definir a formação do elenco", explicou o gerente de Futebol, Edvard Simões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.