Corinthians começa a fazer contas

A torcida do Corinthians pode ficar tranqüila porque o time vai se classificar para as semifinais do Torneio Rio-São Paulo. Esta é a expectativa do técnico Carlos Alberto Parreira, que considerou normal o segundo jogo sem vitória "dentro de uma competição difícil, repleta de clássicos e com grandes adversários". Antes de empatar com o Guarani, por 1 a 1, o Corinthians tinha perdido para o Flamengo, por 4 a 3. O Corinthians é sexto colocado com 15 pontos, o mesmo número conquistado pelo Guarani que perde nos critérios de desempate - menor saldo de gols. O Corinthians tem oito, contra quatro do time campineiro. Ambos, porém, estão separados por apenas um ponto de São Caetano e Botafogo e três pontos do Vasco da Gama. Parreira antecipou as contas da comissão técnica, que planeja ganhar pelo menos três dos seis jogos que faltam na fase inicial para chegar às semifinais. Com relação ao jogo, disputado no Brinco de Ouro debaixo de intenso calor, ele achou o resultado "muito justo", mas lamentou o fato do jogo ter começado às 16 horas, ainda debaixo de um forte sol. "É uma covardia com os profissionais, tanto que não podemos exigir e cobrar nada. Quem perde é o futebol, porque a qualidade técnica vai lá em baixo", explicou. Os jogadores também reclamaram muito do calor. A maioria lamentou a falta de oportunidades para chegar à vitória. O zagueiro Fábio Luciano, mais político, elogiou o sistema de marcação do adversário. "Eles se retrancaram e ficou difícil para nosso ataque ", resumiu o zagueiro. O meia Ricardinho, que marcou seu 58º gol com a camisa corintiana, também considerou o "placar justo pelo que os dois times fizeram em campo". Pelo lado do Guarani, o empate foi muito comemorado nos vestiários. Mas o técnico Zé Mário ficou insatisfeito com o rendimento do time, que teria atuado bem abaixo "de suas possibilidades". Segundo o técnico, o Guarani "apresentou muito mais em outros jogos", mas teve méritos na marcação, justificando o empate. O Guarani volta a campo, quarta-feira, diante do Paraná, pela Copa do Brasil. Precisa vencer por três gols para passar à terceira fase.

Agencia Estado,

10 Março 2002 | 21h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.