Corinthians confirma R$ 100 milhões de dívidas em balanço

Maior causa do déficit de R$ 23,3 milhões é o social e o futebol amador, que gerou prejuízo de R$ 23,2 milhões

Milton F. da Rocha Filho, Agência Estado

11 de abril de 2008 | 13h34

O Corinthians divulgou nesta sexta-feira seu balanço de 2007 e revisou os resultados de 2006. O balanço mostra que o déficit do clube chegou a R$ 23,3 milhões, somadas as perdas de R$ 149 mil do futebol com R$ 23,2 milhões das áreas social e de esportes amadores do clube. E que o clube renegocia o pagamento de dívidas de cerca R$ 100 milhões, com quitação projetada pela atual diretoria, liderada por Andrés Sanchez, para três anos. A renegociação está sendo feita "caso a caso", diz o relatório de administração. Veja também: Leia a primeira página do balanço corintiano Leia a segunda página do balanço corintiano Corinthians: muros pichados pedem saída de Acosta e LulinhaO relatório chamado "O Corinthians presta contas a seus 30 milhões de torcedores" trata do encerramento da associação com a MSI, que ainda deve ao clube R$ 60 milhões, valor discriminado no balanço como provisão de crédito de liquidação duvidosa, ou seja, que o clube corre o risco de não receber. Diz ainda o que "os assessores jurídicos responsáveis pelos processos rescisórios dos referidos contratos com a MSI, possuem entendimento de que, em decorrência de a MSI interromper totalmente o cumprimento de suas obrigações contratuais, bem como, por ter se afastado totalmente das operações do clube(não possuindo mais representantes legais no País), a mesma manifestou, de maneira inequívoca, sua intenção de encerrar o seu relacionamento contratual com o clube". O Corinthians explica a posição da dívida da MSI no balanço: "Tal crédito foi relacionado como de liquidação duvidosa, posto que o Corinthians reconhece não poder cobrar o seu pagamento, considerando que há ação penal na Justiça Federal de São Paulo na qual se discute a licitude da origem dos recursos da MSI". A nova diretoria do Corinthians diz, no relatório, que ele está saindo das páginas policiais dos jornais, mudou de forma radical sua posição e admite que encontrou o clube com uma dívida de R$ 100 milhões, que já renegocia para quitação em três anos. Também destaca decisão de resolver pendências, como o caso Nilmar, com o Lyon, da França, ou ainda a dívida com o ex-treinador Daniel Passarela. Mas auditores que examinaram o balanço entendem que, apesar de reconhecidos contabilmente e devidamente provisionado os direitos e as obrigações decorrentes do vínculo contratual existente a MSI e o Corinthians, não foi possível avaliar os impactos nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2007, que poderiam advir do referido processo rescisório ("distrato"), dos vínculos contratuais do clube com a MSI. DISSOLUÇÃO Um fato curioso nas notas explicativas do balanço do Corinthians não alegra os torcedores. "Em caso de dissolução do clube, seu patrimônio será destinado à Santa Casa de Misericórdia da Capital do Estado de São Paulo, exceto as taças, os troféus, medalhas, diplomas e outros prêmios conquistados em disputas esportivas, bem como lembranças, homenagens, alguns, retratos, fotografias, enfim tudo quanto lembrar a vida desportiva do Corinthians e os respectivos móveis, molduras e estojos, os quais deverão ser entregues ao Museu Paulista, ficando para tal fim, gravados com cláusulas de inalienabilidade e impenhorabilidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.