Corinthians continua em marcha-lenta

O ritmo das contratações continua em marcha lenta no Corinthians. O vice-presidente do clube, Antônio Roque Citadini, enclausurou-se em seu escritório e não deu declarações. A pressão da torcida sobre o técnico Wanderley Luxemburgo e os dirigentes começa a crescer. Preocupado, Luxemburgo teve de deixar a concentração da equipe em Extrema, sul de Minas, e viajou a São Paulo somente para tentar acelerar o ritmo das negociações. O grupo teve nove dispensas e nenhuma reposição. O volante Vampeta, do Paris Saint Germain, e o zagueiro Emerson, da Portuguesa, são os nomes que mais interessam ao clube, mas Luxemburgo já admite que a demora prejudicou seu planejamento para o segundo semestre. Enquanto isso, os jogadores do Corinthians prosseguiram na rotina de treinos físicos intensos de manhã e à tarde em Extrema. As atividades devem continuar na proporção de 65% físicos e 35% técnicos, visando à preparação do grupo para disputar 36 jogos em 90 dias, que se iniciam no dia 26 contra o Colo Colo pela Copa Mercosul. Visitante - O ex-jogador Wladimir, que marcou época nos anos 70 e 80 vestindo a camisa corintiana, resolveu tornar-se técnico de futebol e foi autorizado pela diretoria a acompanhar os treinamentos dados por Luxemburgo. Como visitante ilustre, ele esteve hoje no hotel-fazenda em Extrema para ver de perto os métodos do atual técnico do Corinthians. A decisão de se tornar treinador foi impulsionada pelo ex-jogador Sócrates, de quem é amigo e formou no clube a histórica Democracia Corintiana. "Ele insistiu para que eu assumisse esta carreira, achando que tenho o perfil ideal", revelou o ex-lateral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.