Corinthians corta R$ 650 mil por mês

A reformulação que o Corinthians começou a realizar no elenco desde dezembro já fez o clube economizar R$ 650 mil por mês na folha de pagamento do Departamento de Futebol. Para obter este resultado, dez jogadores deixaram o clube. "Conseguimos enxugar o elenco", comemora o vice-presidente de Futebol, Antônio Roque Citadini, que comandou a mudança no elenco e estuda a possibilidade de dar seqüência ao processo após o Paulista. A lista dos atletas que já foram embora do Corinthians é esta: Adílson, Dinei, Müller, Assis, Luís Mário, Gilmar, Djair, Romeu, Édson e Edu. Há ainda a perspectiva de o clube acertar a transferência de Índio, Márcio Costa e Fernando Baiano para outros clubes. Dos jogadores que deixaram o Parque São Jorge, o zagueiro Adílson tinha um dos salários mais altos: R$ 160 mil por mês, incluindo o aluguel do passe que pertencia a ele. Mas o Corinthians só deverá começar a sentir o efeito dessa economia na folha de pagamento de março. Antes, a redução não havia dado resultados imediatos, porque o clube teve de pagar indenização para alguns jogadores, como foi o caso de Adílson e Assis, que tiveram seus contratos rescindidos, do atacante Müller, devolvido ao Cruzeiro antes do fim do tempo, e de Dinei, que ganhou o passe. Segundo Citadini, os volantes Pereira e Otacílio, mais o atacante Paulo Nunes e o goleiro Gleguer vieram para o Corinthians com contratos dentro da nova filosofia do clube. "Não se paga mais salários acima da realidade do futebol brasileiro", garante Citadini, sem divulgar o salário-base do Corinthians. Por esta razão, o clube está com dificuldade para acertar a volta do volante Rincón ao Parque São Jorge. O mesmo ocorre com a contratação de um lateral-direito, exigência feita por Luxemburgo. Até agora, a diretoria não encontrou um jogador barato para a posição. Despediu do Parque - O treino que o Corinthians fez sexta-feira pela manhã no Parque São Jorge pode ter sido o último realizado no clube. A partir de terça-feira, o técnico Wanderley Luxemburgo leva o time para uma temporada de 12 dias de treinamentos em Serra Negra, intercalada com os jogos contra o Guarani, em Campinas, e Internacional, em Limeira. No retorno da delegação para a capital, prevista para o dia 12, a equipe deve começar a treinar todos os dias no Centro de Treinamento de Itaquera. "Estamos reformando a cozinha do CT e quando tudo estiver pronto vamos mudar para lá", disse o vice-presidente de futebol, Antonio Roque Citadini, que não garantiu se os torcedores terão acesso aos treinos em Itaquera. "Não sei como vamos administrar o problema, porque no CT não há lugar para receber os torcedores", completou o dirigente, explicando não haver arquibancadas e outras acomodações, como sanitários, à disposição dos visitantes. "Mas há um morro próximo do campo. Eles podem ver o treino lá do alto."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.