Corinthians dá show no Canindé

A garotada do Corinthians desfilou no Canindé como fizeram os Gaviões da Fiel no sambódromo. Parecia um baile de carnaval, faltou só a fantasia. O jovem trio de ataque, formado por Gil, Leandro e Deivid, passeou em campo, como se estivesse jogando uma ´pelada´ na várzea. A vitória dos corintianos por 4 a 1 só não foi por 9 ou 10 porque o goleiro Bosco fez grandes defesas e a trave evitou outros gols. O show foi uma seqüência à festa dos corintianos, que ainda comemoram o título no carnaval. Gritaram, pularam, aplaudiram seus jogadores e deram o tradicional ´olé´, para desespero dos rivais da Lusa, que chamaram o técnico Candinho de "burro" e pediram sua demissão. Com o resultado, o Corinthians chega a 11 pontos e se aproxima dos líderes do Torneio Rio-São Paulo. A Portuguesa, com apenas 7, é o pior paulista da competição ao lado do São Caetano. Pelo primeiro tempo, nem o mais fanático corintiano poderia esperar que a vitória fosse tão fácil. A partida era equilibrada e as duas equipes criavam poucas oportunidades de gol. O Corinthians abriu o placar aos 25 minutos, com Gil, mas, logo em seguida, Ricardo Oliveira, em cobrança de pênalti que ele mesmo havia sofrido, empatou. Depois do intervalo, porém, tudo mudou. Mesmo sem modificações na equipe, o Corinthians voltou para a segunda etapa inspirado. Não havia tempo para o adversário respirar. Gil comandava os rápidos ataques. Leandro atuava bem e Vampeta dominava o meio-de-campo. Os zagueiros Vinícius e Rogério Pinheiro e os laterais Alexandre Chagas e Paulo Fabrício estavam completamente perdidos. A Portuguesa não resistiu. Logo aos 3 minutos, Gil fez grande jogada e tocou para Leandro tocar na saída de Bosco: 2 a 1. Deivid fez o seu aos 12 e Ricardinho completou a goleada aos 33. Os belos gols, no entanto, não foram tudo. A torcida alvinegra protagonizou lances que levantaram a torcida. Deivid deu o chamado "drible da vaca" em Rogério Pinheiro, mas errou na finalização. Vampeta passou por dois e chutou com perigo. Luciano Ratinho acertou o travessão e, no rebote, Ricardinho, com categoria, quase marcou o quinto. A bola, de novo, chocou-se contra a trave. Sorte da Portuguesa, que escapou de sofrer uma goleada. Mesmo após a exibição de gala, os torcedores alvinegros voltaram a pedir a saída do presidente Alberto Dualib, do vice Antônio Roque Citadini e criticaram a Hicks Muse, que, em breve, deve a pedir a rescisão do contrato com o Corinthians.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.