Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Corinthians defende tabu no clássico para voltar à zona de classificação

Em nove jogos diante do São Paulo, time venceu seis e empatou três

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2019 | 04h30

O Corinthians defende uma invencibilidade de nove partidas em seu estádio diante do São Paulo. Até agora, foram seis vitórias e três empates. O time do Morumbi é a maior vítima corintiana na nova arena. O Corinthians terá grande apoio da torcida para o segundo clássico do torneio – no primeiro, vitória sobre o Palmeiras fora de casa. Mais de 34 mil ingressos já foram vendidos. 

O tabu pode ser um estímulo para a recuperação no Campeonato Paulista. O time está em terceiro lugar no Grupo C, fora da zona de classificação, e precisa somar pontos para não correr riscos nas últimas rodadas. 

Depois de elogiar a atuação da equipe no empate em casa, diante do Racing, na estreia da Copa Sul-Americana, Carille revelou que vai mudar pouco o time. Ele se diz satisfeito e afirma que a hora é de buscar entrosamento. “Não vão ter muitas mudanças, isso eu posso adiantar. Chegou a hora de dar sequência para o time”, afirmou. 

Apesar das falhas nos últimos jogos, a defesa formada por Manoel e Henrique será mantida, de acordo com o próprio treinador. A dúvida está na lateral esquerda: Danilo Avelar ou Carlos Augusto. O primeiro estava suspenso na Copa Sul-Americana; o segundo voltou da disputa do Mundial Sul-Americano, no Chile, com a seleção sub-20. No ataque, Gustagol deve ser mantido como referência – o argentino Boselli ainda está em fase de adaptação ao futebol brasileiro.

O volante Ramiro, um dos principais reforços da temporada, reconhece que o time precisa evoluir. Ele próprio ainda não teve grandes atuações depois de ter sido contratado do Grêmio. “Existem alguns detalhes ofensivos e defensivos que precisam ser melhorados. Um dos aspectos é tentar evitar sair atrás no placar. Isso aconteceu em alguns jogos e precisa ser evitado”, analisa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.