Corinthians define em eleição nesta terça seu novo presidente

Andrés Sanches, Osmar Stábile e Paulo Garcia, todos empresários bem-sucedidos, concorrem ao cargo

Fábio Hecico, Estadão

08 de outubro de 2007 | 19h21

Para os conselheiros do Corinthians - 397 têm direito a voto - chegou o grande dia de acabar definitivamente com a era Alberto Dualib no Corinthians. Depois de muita briga na Justiça, troca de acusações e denúncias na Polícia Federal, conseguiram que o ex-presidente renunciasse ao cargo após 14 anos no poder. Nesta terça-feira, Andrés Sanches, Osmar Stábile e Paulo Garcia, todos empresários bem-sucedidos, concorrem à cadeira presidencial para tentar tirar o time de sua pior crise em 97 anos de história. Veja também:  Propostas de Andrés Sanches  Propostas de Paulo Garcia  Propostas de Osmar Stábile Vote: vitória no clássico dá moral ao Corinthians para fugir do rebaixamento? Sob problemas constantes, a eleição não poderia ficar ilesa às brigas nos tribunais. Dois sócios do Corinthians entraram com ações na Justiça pedindo a anulação da eleição desta noite. Caetano Matanó, apresentador de um programa sobre o clube na DemaisTV, recorreu à 2ª Vara Cível, no Tatuapé, sob argumento de que os artigos 45 e 95 do estatuto são conflitantes e alegam que, na vacância do presidente, quem deve assumir é o vice, sem haver eleições.Roland Wholers, o Cyborg, apelou para a 4ª Vara Cível, também no Tatuapé, acusando os conselheiros vitalícios a partir de 1975 de terem sido empossados ilegalmente. Os juízes devem dar as sentenças no início da tarde."Dificilmente o juiz anulará a eleição. Todos os conselheiros aprovaram a escolha dos biônicos (novos conselheiros, eleitos no início do ano). As acusações vão cair na prescrição e tudo previsto para amanhã (terça-feira) acontecerá e, tomara, na maior paz possível", disse Alexandre Husni, vice-presidente do Conselho Deliberativo. O presidente, Carlos Senger, é quem conduzirá a votação, secreta, e com possibilidade de abertura para acompanhamento dos jornalistas.Uma comissão eleitoral foi composta para garantir que não haja fraudes no processo. O grupo será encabeçado pelo desembargador Guilherme Strenger, e terá outros quatro membros, todos promotores de Justiça, de alto gabarito e, principalmente, neutros. "Eles irão definir algumas regras da eleição na hora, mas há a possibilidade de voto branco, nulo e ninguém é obrigado a ir ao clube votar", informou Husni. "E não há nada que impeça ninguém de votar", seguiu. Ou seja, Alberto Dualib e seu vice, Nesi Curi, que também renunciou ao cargo, têm direito a escolher seus substitutos. Mas não devem ter coragem de voltar ao clube e enfrentar a ira da oposição e dos torcedores "fiscais da eleição."Andrés Sanches, de 43 anos, tem como vice Heleno Maluf. José Onofre acompanha Osmar Stábile, 53, e Waldemar Pires se uniu a Paulo Garcia, 52. Quem ganhar, toma posse logo após o anúncio oficial. Eles terão direito à indicação de nove vice-presidentes, entre Esportes Terrestres, Jurídico, de Futebol, Finanças... E ficarão no comando até janeiro de 2009, tempo restante do mandato de Dualib. Clodomil Orsi, presidente em exercício, e Wilson Bento, atualmente seu vice, retornarão à condição de vice-presidentes, pois foram eleitos.Favorito, não?Nenhum dos candidatos aposta em favoritismo. "Chega na hora, as pessoas mudam de lado", disse Andrés, que teve 186 assinaturas do lançamento de sua candidatura. "Temos grandes chances", retrucou Garcia, com seus 153 fiéis escudeiros. "Nada está decidido", encerrou Stábile.

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthianseleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.