Celio Messias
Celio Messias

Corinthians derruba o último invicto e emplaca quarta vitória seguida

Alvinegro quase deixa escapar triunfo contra o Mirassol, mas vence por 3 a 2

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2017 | 21h24

Não há mais nenhum invicto no Campeonato Paulista. Em um jogo de cinco gols, o Corinthians superou o Mirassol por 3 a 2, de virada, neste sábado, no estádio José Maria de Campos, impôs ao time da casa o primeiro revés na competição e emplacou o quarto triunfo consecutivo.

Com o resultado, o clube alvinegro, que contou com Léo Príncipe, Pedro Henrique, Guilherme Arana, Maycon, Léo Jabá e Jô entre os titulares, chegou aos 15 pontos e lidera o Grupo A com folga, já que Ituano (8), Botafogo (7) e São Bernardo (6) tropeçam na rodada. Apesar da derrota, o Mirassol se manteve na liderança do Grupo D, com 13 pontos.

O Corinthians entrou em campo com uma boa dose de provocação na camisa. O clube incluiu '#Eu sou' antes do nome de cada jogador para ironizar o erro do árbitro Thiago Duarte Peixoto, que confundiu Gabriel com Maycon e expulsou o primeiro de maneira equivocada, no clássico com o Palmeiras, na quarta-feira.

Com Gabriel entre os titulares depois da anulação do cartão pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP), o técnico Fábio Carille escalou Kazim e Jô juntos pela primeira vez para começar um jogo. A formação do papel não se refletiu na prática. O Corinthians não tinha dois centroavantes. Jô atuava um pouco mais recuado, na organização, com Léo Jabá pelo lado direito e Maycon, pela esquerda.

Apesar de ficar de posse da bola, o Corinthians não conseguia criar oportunidades. Mas, com uma boa postura defensiva, também evitava o avanço do time da casa. Na primeira falha, no entanto, saiu o gol do Mirassol. Aos 28 minutos, Guilherme Arana vacilou, perdeu disputa para Rodolfo, que tocou para Zé Roberto na entrada da área. O atacante deu um lindo drible em Pablo e bateu rasteiro, no canto direito, sem chance para Cássio.

O gol não alterou o ritmo do Corinthians em campo. A equipe alvinegra procurava trocar passes, atrás de algum espaço na muralha amarela do Mirassol. A jogada bem trabalhada não saiu, mas, no futebol, há o fator sorte. A virada foi construída em seis minutos.

Aos 38, após cobrança de falta de Guilherme Arana na área, Kazim se desequilibrou, não conseguiu finalizar, mas Pablo apareceu para empurrar para o gol. Cinco minutos depois, o mesmo Kazim tentou bicicleta em cruzamento de Jô, furou e a bola sobrou para Maycon, que tocou na saída do goleiro Vagner de pé esquerdo.

Se desta vez não existiu dúvida entre Maycon e Gabriel sobre quem estava na jogada, o mesmo não podemos dizer do primeiro gol. Pablo e Kazim discordam do autor. "O gol foi meu. Eu que chutei", afirmou o zagueiro na saída para o intervalo. "O último toque foi meu", reivindicou o atacante.

O temporal que caiu em Mirassol foi o destaque em boa parte do segundo tempo. Os jogadores não conseguiam parar de pé. Foram incontáveis os escorregões de ambos os lados. Até o árbitro Vinicius Furlan virou vítima do volume de água que despencava. O aparelho de comunicação com os auxiliares foi danificado e ele precisou retirá-lo.

Taticamente, o desenho era simples: Carille recuou suas peças e passou a especular no contra-ataque. Do outro lado, Moisés Egert orientou o time a pressionar. Na disputa entre ataque e defesa, os goleiros foram decisivos. Primeiro Cássio falhou e Xuxa, em cobrança de falta, empatou aos 36. Dois minutos depois, Vagner errou ao tentar afastar bola em um escanteio e Pedro Henrique marcou o gol da vitória.

FICHA TÉCNICA

MIRASSOL 2 x 3 CORINTHIANS

MIRASSOL: Vagner; Mário Sérgio, Wallace, Edson Silva e Raul (Luiz Fernando); Paulinho, Willian, Xuxa e Welinton Júnior (Bruno Sávio); Rodolfo (Rafhael Lucas) e Zé Roberto. Técnico: Moisés Egert

CORINTHIANS: Cássio; Léo Príncipe, Pedro Henrique, Pablo e G. Arana; Gabriel, Fellipe Bastos, Maycon (Moisés) e Léo Jabá (Romero); Jô (Marciel) e Kazim. Técnico: Fábio Carille.

Gols: Zé Roberto, aos 28, Pablo, aos 38, Maycon, 43 minutos do 1º tempo, Xuxa, aos 36, Paulo Henrique, aos 38 minutos do 2º tempo.

Cartões amarelos: Fellipe Bastos, Pedro Henrique e Paulinho.

Árbitro: Vinicius Furlan.

Local: José Maria de Campos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.