Corinthians desiste de contratar goleiro

Depois de perder Fábio Costa, que decidiu renovar contrato com o Santos, o Corinthians não deve procurar outro goleiro. De acordo com o vice-presidente Fran Papaiordanou, a diretoria nem estava procurando alguém para essa posição. O Corinthians só se interessou por Fábio Costa porque houve uma combinação de interesses entre o goleiro, seu empresário e o próprio Corinthians. A diretoria corintiana também não se sentiu lesada pelo goleiro, que acabou usando o Corinthians para pressionar o Santos a aceitar suas exigências salariais. ?Isso faz parte do futebol?, diz Papaiordanou. ?Nossa postura foi extremamente ética. O Corinthians sempre soube que a prioridade para ter Fábio Costa era do Santos. A negociação só começou porque vieram nos oferecer o jogador. E nos disseram que ele iria sair do Santos de qualquer jeito. Mas o Corinthians nunca disse que tinha contratado o Fábio Costa.? De acordo com o dirigente, o clube não vai procurar outro goleiro. O técnico Juninho está satisfeito com Doni e Rubinho, que fizeram uma boa temporada em 2003. ?Nossas prioridades são outras. O elenco precisa de mais dois atacantes e um lateral-esquerdo.? Um dos atacantes que o Corinthians quer é Leandrão, do Internacional de Porto Alegre. O problema é que, para ceder seu jogador, o clube gaúcho exige o goleiro Doni em troca. Se Fábio Costa fosse contratado, Doni seria cedido sem problemas. Mas como a vinda do goleiro do Santos fracassou, o Corinthians não poderá liberar Doni. A diretoria corintiana acredita que o Inter possa aceitar o meia Renato no lugar de Doni. Outro atacante que negocia com o Corinthians é Vinícius, do Fortaleza. As negociações com o procurador do atleta foram interrompidas no fim de semana, mas devem ser retomadas na segunda-feira. O Corinthians, porém, só faz negócio se o contrato for longo e se o clube ficar com pelo menos 40% dos direitos federativos do atacante. Quanto a Zé Luiz, volante do Marília, que acabou se transferindo para o Atlético-MG, não foi exatamente um negócio perdido, segundo Papaiordanou. ?Esse atleta também nos foi oferecido. Tecnicamente se encaixa no perfil dos jogadores jovens que interessa ao Corinthians. Mas financeiramente não era viável, porque ele não se encaixou na faixa salarial das revelações. Além disso, temos outros jogadores para a posição.? De acordo com estudo da comissão técnica, o Corinthians vai precisar de elenco com 30 ou 32 jogadores para enfrentar a temporada sem problemas. A diretoria não irá priorizar campeonatos, como fez 2003 com a Taça Libertadores, acreditando que o ano estaria ganho se o time fosse campeão sul-americano. O próprio presidente Alberto Dualib faz questão que o Brasileiro de 2004 seja disputado com planejamento mais adequado. ?Ganhar um campeonato por pontos corridos, com turno e returno, é impossível se você não contar com um elenco suficientemente forte. Falo tecnicamente em relação à quantidade?, observa o presidente. ?Além disso, o time precisa encarar todos os jogos como se fosse uma decisão. Esse é o espírito que todos nós queremos para o Corinthians em 2004.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.