Corinthians desiste de fazer contas

O Corinthians não faz mais contas. Com oito partidas para disputar no Campeonato Paulista, o técnico Wanderley Luxemburgo preferiu dizer hoje que a melhor estratégia é jogar e tentar ganhar. ?Não penso mais em quantos pontos faltam para a classificação. O negócio agora é tentar reagir,? disse o treinador, que não se assusta com a ameaça de rebaixamento. ?Penso para frente, no positivo. É claro que a situação não agrada, mas estou me preparando para sair dessa.? Luxemburgo acredita que uma hora o time vai começar a ganhar. ?Isso não vai durar a vida toda. Já passei por situações assim, só que, desta vez, está demorando um pouco para acabar?.O treinador disse que na reunião que teve na capital, segunda-feira, com os dirigentes do Corinthians e da Hicks Muse, a situação atual e o futuro do time foram discutidos. Ele admitiu a possibilidade de contratações ainda para o Paulista, cujas inscrições terminam nesta quinta-feira. O vice-presidente de Futebol do Corinthians, Antonio Roque Citadini, também falou sobre a possibilidade da contratação de reforços. Ele não revelou nomes, mas, em Serra Negra, os comentários eram de que um lateral-direito, que poderá ser Quintana, da seleção colombiana; um jogador para o meio-de-campo e um atacante poderão ser contratados. O colombiano Rincón, que há mais de um mês está discutindo sua volta para o Parque São Jorge, também continua nos planos. A situação do Corinthians está tão complicada, que Luxemburgo está contando com o reforço de Luizão para o jogo contra a Internacional, sábado, em Limeira. O atacante, que está com a seleção, deverá voltar da Cidade do México e se integrar ao Corinthians na sexta-feira, em Campinas, na concentração da equipe.Luxemburgo ainda pode fazer algumas alterações na equipe. As mudanças seriam testadas no jogo-treino desta quarta-feira à noite contra a seleção amadora de Serra Negra. Regulamento - Alguns jogadores, como Paulo Nunes, Otacílio e Rogério, reclamaram da forma de disputa do Paulista, que obriga os times grandes a disputar a maioria das partidas fora da capital. Paulo Nunes considera essa situação um absurdo e lembra que, neste campeonato, ele só disputou uma partida na capital, contra o Palmeiras. ?É como tirar de Porto Alegre os jogos do Campeonato Gaúcho. Isso não existe?, disse o jogador, enfatizando ainda que o regulamento permite que os times do interior dominem a competição. Já o técnico Luxemburgo não reclama da situação. Ele lembrou que todos os dirigentes dos clubes, inclusive os dos grandes, assinaram o regulamento antes do início da competição. ?A forma não é boa? Não, não é boa, mas se todo mundo concordou agora não adianta reclamar?, disse o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.