Divulgação/Ceara SC
Divulgação/Ceara SC

Corinthians deve contratar atacante indiciado por agressão à namorada e torcida se revolta

Horas antes do acerto, o clube havia divulgado uma mensagem orientando que mulheres divulguem abusos feitos por homens. Torcedores criam hashtag para evitar a chegada do jogador

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2018 | 05h00

O Corinthians deve acertar a contratação por empréstimo do atacante Juninho, que pertence ao Sport e estava emprestado para o Ceará. O jogador fará parte do time sub-20 e, se for aprovado, poderá ser integrado ao elenco principal. Entretanto, sua chegada pode ser cancelada, pois o jogador foi indiciado por agressão, ameaça e injúria contra sua namorada, em novembro do ano passado, e a torcida corintiana já iniciou um protesto contra a contratação do atleta.

O curioso é que o Corinthians divulgou horas antes do acerto com o jogador ser revelado, uma mensagem no Instagram orientando que qualquer abuso contra as mulheres deve ser denunciado, como parte da celebração pelos 12 anos da criação da Lei Maria da Penha. O acertou foi divulgado pelo Sport e o time paulista ainda não confirmou o acerto justamente por causa da repercussão negativa causada nas redes sociais.

O Estado apurou que a diretoria alvinegra tem duas linhas de frente para o caso e está avaliando qual delas seguirá. A primeira é trabalhar com a ideia de que tentará recuperar o jovem e lhe dar uma segunda chance. A outra vertente é desistir do negócio e evitar mais problemas para o clube. Veja a mensagem divulgada pelo Corinthians sobre abusos contra mulheres.

Juninho foi acusado em novembro do ano passado de agredir a namorada, com quem teve uma relação por cinco meses. Em entrevista, a jovem agredida, que entrou com uma medida protetiva para que ele se mantivesse longa dela, contou o que aconteceu em uma das vezes em que foi agredida.

“Quando chegamos no apartamento, assim que descemos, eu disse que não dormiria com ele. Que apenas conversaria e iria embora. Foi quando ele me deu o primeiro tapa no rosto e as câmeras do prédio filmaram. Quando subimos, ele me trancou dentro do quarto e foi quando começou tudo. Que eu era obrigada a ficar com ele, porque, se eu saísse de lá, eu iria acabar com a carreira dele, porque todo mundo no clube já sabia que ele tinha me agredido. Quando falei que iria embora, ele levantou procurando uma faca, porque disse que teria que me matar, porque quando eu fosse embora, saberia que eu chamaria a polícia pelas agressões que ele fez. Deu murros no meu rosto, puxou o meu cabelo... E disse que teria que me matar para poder proteger a carreira dele”, contou a jovem.

Sem clima para seguir no Sport, Juninho foi emprestado ao Ceará, onde foi recebido também por muito protesto e praticamente não conseguiu jogar. Fez apenas cinco jogos e nenhum gol marcado e por isso, o time cearense quis devolvê-lo ao pernambucano. Além da violência contra a mulher, Juninho também é acusado de ter problemas disciplinares e não se dedicar nos treinamentos.

Após o Sport anunciar o acerto com o Corinthians, torcedores e torcedoras do time paulista se revoltaram com a notícia e criaram uma hashtag chamada #JuninhonoCorinthiansNão. Veja algumas das mensagens postadas pelos corintianos contra o jogador.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians Lei Maria da Penha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.