Corinthians deve definir técnico domingo

O nome do futuro técnico do Corinthians deve ser definido no domingo, numa reunião na casa do presidente Alberto Dualib, já com a presença de Kia Joorabchian, que deverá retornar de Londres no sábado. Vanderlei Luxemburgo continua sendo o preferido, principalmente de Kia, mas o conceito do treinador sofreu um certo abalo depois que ele começou a fazer ?leilão?, usando o próprio Santos. A ida de um representante corintiano a Buenos Aires no começo da semana, com o objetivo de fazer contato com Carlos Bianchi, foi um recado explícito a Luxemburgo. Se ele não estiver disposto a definir esta semana o seu futuro, pode perder a chance de voltar ao Corinthians. A proposta feita ao técnico santista é tentadora: U$ 1 milhão de luvas e salário de U$ 70 mil por um contrato de três anos. Além disso, Luxemburgo receberia participação no lucro obtido pela MSI nos jogadores indicados por ele. O que pode atrapalhar as negociações com Luxemburgo é o tal ?leilão?. Alguém que têm trânsito nos dois clubes (suspeita-se de Renato Duprat) garantiu que o técnico chegou a mostrar ao presidente do Santos, Marcelo Teixeira, a proposta recebida da MSI. A informação não foi confirmada. Na Vila Belmiro, o presidente Marcelo Teixeira também sofre o mesmo problema: chamou o treinador para conversar sobre a reforma do contrato mas até agora Luxemburgo não o procurou. "Ele diz para todo mundo que quer ficar, admitiu isso até para o Mello (Antonio Mello, preparador físico) mas toda vez que o presidente manda ele subir para discutir a reforma do contrato ele não aparece", assegura uma fonte da cúpula santista. "O próprio Marcelo já está ficando com o saco cheio disso". Apesar dos pesares, Luxemburgo continua sendo o favorito para dirigir o Corinthians em 2005. Seu maior cacife é a vontade do iraniano Kia Joorabchian, que não abre mão de ter o melhor técnico do Brasil. Além da definição do futuro técnico, na segunda-feira, dia 13, haverá uma reunião do Conselho Deliberativo para definir algumas questões políticas, além de uma formalização do contrato de parceria com a MSI. Uma das questões que serão tratadas é o futuro do vice-presidente de Futebol, Antonio Roque Citadini. A ala comandada por Nesi Curi quer o dirigente fora do departamento de Futebol mas o presidente Alberto Dualib não parece nada disposto a abrir mão de seu homem de confiança. A questão pode agravar ainda mais o "racha" na diretoria. Esperto, Citadini mantém o silêncio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.