Corinthians: dispensas vão bancar reforços

Como o Corinthians vai fazer para contratar reforços se está com dificuldade para quitar dívidas com alguns jogadores e até pagar o 13º salário? Essa é uma das perguntas mais freqüentes em qualquer mesa de discussão sobre a situação da equipe do Parque São Jorge. E a resposta não poderia ser mais simples. Nada de novos patrocínios ou parcerias. Assim como vão chegar novos atletas, sairão outros. E é com o dinheiro das dispensas que o clube vai montar o novo grupo para 2004.A diretoria e a comissão técnica têm um verdadeiro pacto para não comentar nomes. Mesmo assim, já existem certezas. Por exemplo, na lista daqueles que vão embora estão o meia Robert, o zagueiro César, o volante Cocito e o atacante Fumagalli, além do meia André Luís, que já deixou o clube após pedir rescisão contratual.Há incertezas ainda em relação ao volante Fabinho. A Hicks Muse, ex-parceira corintiana, pode levá-lo para o Cruzeiro, clube com o qual também mantinha acordo, já que o técnico Vanderlei Luxemburgo não esconde que gostaria de contar com o reforço para disputar a Taça Libertadores da América na próxima temporada.Ponta do lápis - Somados os custos de todos os dispensados, os dirigentes estimam que a economia chegue a R$ 400 mil/mês. É com esse dinheiro, somado a eventuais e gradativas reduções no repasse de verbas do Futebol para a área social - hoje em torno de R$ 500 mil/mês - que o Corinthians vai bancar as contratações.Considerando que o teto salarial estipulado é de R$ 80 mil (pode chegar a R$ 100 mil em casos especiais, como o volante Vampeta, que ainda conta com simpatia da cúpula mesmo depois das confusões que protagonizou), o Corinthians conseguiria contratar cinco atletas com rendimentos máximos, exatamente o que planeja diretoria e comissão técnica. O time faz o último jogo da temporada no domingo, em Porto Alegre, contra o cambaleante Grêmio.BASE - Se por um lado uma das maiores preocupações do técnico Juninho Fonseca é reforçar o time com jogadores experientes, por outro garantiu que não vai abrir mão dos garotos. A queda de produção da equipe no returno do Campeonato Brasileiro, de acordo com o treinador, não foi reflexo na presença dos jovens, mas sim da maneira como esses foram aproveitados. ?É preciso obedecer o tempo certo de cada um. Acontece que por alguns fatores, aqui no Corinthians eles acabaram queimando algumas etapas?, costuma dizer Juninho ao explicar o problema.Para definir quem vai ter chance no time principal em 2004, um dos principais laboratórios do comandante corintiano será a Copa São Paulo de Futebol Juniores. Juninho já adiantou que quatro atletas (o goleiro Tiago, o zagueiro Vitor Hugo, o lateral-direito Edson e o meia Ednan) vão disputar seu último ano na categoria. Dessa forma, conta com eles a partir de fevereiro para compor o grupo de profissionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.