Corinthians divide as suas atenções

Conquistar o quarto Campeonato Brasileiro da sua história é um desafio que só não é maior do que o sonho de ganhar a sua primeira Copa Libertadores da América. No que depender da vontade dos jogadores, da comissão técnica e da própria diretoria, nenhuma das competições seria priorizada. A dúvida, porém, é saber se o Corinthians tem um elenco forte o bastante para enfrentar os dois campeonatos ao mesmo tempo sem deixar de ser competitivo.É consenso no Parque São Jorge que não. Tanto isso é verdade que os dirigentes já trabalham no sentido de reforçar o grupo. Não exatamente o time titular, que é muito bom, mas o banco de reservas, sem a mesma qualidade da equipe principal. Além de um atacante para o lugar de Lucas, que fraturou o pé e não terá mais condições de jogar a Libertadores, o clube deve trazer dois ou três reforços de bom nível que possam substituir os titulares, especialmente na fase inicial do Campeonato Brasileiro.A diretoria planeja contratar jogadores com potencial para ´explodir´ a curto prazo no Parque São Jorge. No entanto, o interesse por revelações como o atacante Fred, do América-MG, e do meia Igor, do Rio Branco, foi desmentido pelo vice-presidente de futebol Antonio Roque Citadini. ?Esses jogadores foram oferecidos por empresários, como outros 20 também foram?, assegura o dirigente. ?De certo mesmo, o Corinthians vai contratar só um atacante para o lugar do Lucas, que se machucou e não terá condições de jogar até o final da Libertadores?.Outro cuidado que está sendo tomado no clube: não assumir publicamente que a Libertadores é prioridade. A diretoria, em fase de boa relação com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, vai sugerir aos seus jogadores que não desvalorizem o Campeonato Brasileiro. No entanto, é bem provável que alguns titulares sejam preservados em algumas datas estratégicas, especialmente em véspera de jogos decisivos pela Libertadores.Na prática, o time vai levar o Campeonato Brasileiro da mesma forma como disputou o Campeonato Paulista: administrando um jogo aqui, outro jogo lá, mas sem abandonar descaradamente o torneio. Mesmo porque, ganhando ou não a Libertadores, a partir de julho o Campeonato Brasileiro voltará a ser a principal competição para o Corinthians.O esquema tático é o mesmo do Campeonato Paulista: o 4-4-2. Mas pode ganhar uma alternativa extra, dependendo dos reforços que vierem. Se Geninho ganhar um lateral-direito que saiba jogar como ala, em alguns partidas o Corinthians pode variar do 4-4-2 vencedor para o 3-4-3 que o seu técnico tanto gosta. Time-base: Doni, Rogério, Fábio Luciano, Ânderson e Kléber; Fabinho, Vampeta e Jorge Wagner; Leandro, Liédson e Gil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.