J.F. Diório/ Estadão
J.F. Diório/ Estadão

Corinthians diz que cartões de Gabriel em clássico foram suspensos e TJD nega

Segundo tribunal, a primeira advertência no clássico com o Palmeiras continua sendo válida

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2017 | 18h57

Uma dúvida burocrática faz com que Corinthians e Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo divulguem informações diferentes sofre a situação do volante Gabriel. O clube informa que o atleta tem apenas um cartão amarelo recebido no Campeonato Paulista. Já o tribunal informa que, na verdade, o volante tem duas advertências e está pendurado, ou seja, caso receba uma nova advertência contra o Santos, terá que cumprir suspensão diante da Ponte Preta. 

A polêmica se dá pela anulação do segundo cartão amarelo e, consequentemente, o cartão vermelho que Gabriel recebeu no clássico com o Palmeiras. O clube pediu para que a expulsão fosse cancelada, já que ficava claro que quem participou da jogada foi o volante Maycon. Assim, o clube entrou com pedido no TJD e conseguiu um efeito suspensivo para que o atleta continuasse a jogar normalmente até o julgamento do feito, que acontecerá na segunda-feira. 

O problema, porém, é que o Corinthians divulgou nesta sexta-feira que o primeiro cartão amarelo recebido no clássico também não é está sendo contabilizado. Assim, ele teria apenas um cartão amarelo recebido no estadual, algo que ocorreu na partida contra o São Bento. O Estado entrou em contato com o TJD e o tribunal informou que não procede a informação e que a primeira advertência jamais foi anulada ou suspensa.

De acordo com o tribunal, o Corinthians pediu e conseguiu o efeito suspensivo referente a segunda advertência, que causou a expulsão do atleta. Essa sim, está suspensa até o julgamento. Já o primeiro cartão continua sendo válido. 

Com a decisão, Gabriel está pendurado com dois cartões amarelos e caso seja advertido diante do Santos, não poderá enfrentar a Ponte Preta na próxima rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.