Corinthians: do inferno ao céu

O Corinthians é dez. Em um mês e doze dias, o time do técnico Wanderley Luxemburgo atingiu a marca de dez vitórias consecutivas (oito pelo Campeonato Paulista e duas pela Copa do Brasil), recuperando-se amplamente do vexame do segundo semestre do ano passado, quando o time perdeu dez partidas seguidas. A seqüência de derrotas foi interrompida com o empate contra o São Paulo por 0 a 0, dia 12 de novembro, no Morumbi. Foi o único ponto que a equipe ganhou sob o comando do técnico Candinho. Em seguida, o time perdeu as duas últimas partidas da temporada para o Flamengo (4 a 1) e América-MG (2 a 1). O Corinthians chegou a ficar 15 jogos seguidos sem vencer, contando com os dois empates no início da temporada: 3 a 3 diante do Botafogo-RJ, pelo Torneio Rio-São Paulo, e 3 a 3 contra o Rio Branco, no Pacaembu, na estréia do time no Campeonato Paulista. O jejum de vitórias foi quebrado com os 4 a 3 sobre o Flamengo, também pelo Torneio Rio-São Paulo, dia 24 de janeiro, no Pacaembu.Por coincidência, o São Paulo está novamente no caminho do Corinthians, desta vez para tentar quebrar a série de dez partidas invictas do adversário, domingo, na última rodada desta fase do Paulista. A série de vitórias do time do Parque São Jorge começou nos 2 a 1 sobre a Internacional, dia 10 de março, em Limeira. A equipe quebrou o tabu de onze meses sem vencer fora da capital. O Corinthians, na época, vivia o drama do rebaixamento. Seus dirigentes até estudavam uma fórmula para evitar o descenso direto, tendo como argumento o fato de o Corinthians ser um dos clubes fundadores da Federação Paulista de Futebol (FPF). Mas aos poucos Luxemburgo foi acertando o time. A goleada sobre o Santos por 5 a 0, dia 18 de março, no Pacaembu, foi o estímulo que a equipe precisava para obter a rendenção. Luxemburgo evitou falar em classificação até a goleada sobre a Portuguesa por 5 a 2, dia 8, no Pacaembu (a sétima vitória da série).Com a vitória contra a Lusa e beneficiado pelos outros resultados da rodada, o Corinthians finalmente havia entrado no grupo dos quatro candidatos às semifinais. "Agora sim estamos brigando por uma vaga. A classificação só depende de nós", disse o treinador, após a partida contra o time do Canindé. Luxemburgo explica que não adotou fórmulas mágicas para salvar o Corinthians. Os jogadores são os mesmos dos ano passado. O atacante Paulo Nunes foi a única contratação feita pela diretoria. O jogador veio antes de Luxemburgo. "Cada atleta reagiu internamente, ganhou confiança e recuperou a auto-estima. São os mesmos jogadores que no início do ano estavam em várias listas de dispensas. Hoje temos três atletas na seleção", ressaltou. "É o reconhecimento pelo trabalho que está sendo feito no clube."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.