Corinthians é derrotado nos pênaltis

Nada de agressões ou invasões de campo. Apesar de todo o clima tenso que marcou a véspera, São Caetano e Corinthians empataram por 1 a 1 neste sábado, no ABC, num jogo de absoluta tranqüilidade. Na decisão do ponto extra, os donos da casa se deram melhor e venceram, nos pênaltis, por 3 a 1, beneficiada pelo chute para fora de Rogério. Com esse resultado, o Azulão permanece na vice-liderança da primeira fase do Campeonato Paulista com 13 pontos, ao lado da Ponte Preta. Os jogadores das duas equipes ganharam folga de dois dias e se reapresentam na terça-feira. O Azulão permanecerá treinando em São Caetano do Sul. Já o time do Parque São Jorge deve seguir para Serra Negra. O técnico Wanderley Luxemburgo pretende concentrar o time durante 12 dias. Quando voltarem, a intenção da comissão técnica é realizar todos os treinamentos no CT de Itaquera. Sem padrão de jogo definido, o Corinthians começou a partida tentando impor a velha tática do abafa. Nos dez primeiros minutos o plano ameaçou funcionar e Luizão teve duas oportunidades, aproveitando as avançadas do lateral-esquerdo Kléber. Mas não demorou para o São Caetano equilibrar e passar a dominar o jogo. Aos 11, atacante Wagner foi lançado em profundidade. Aproveitando-se da precipitação do goleiro Maurício, que voltou ao time no lugar de Gléguer, ele cabeceou, mas a bola tocou na trave antes de ser afastada da área pela defesa. No minuto seguinte foi a vez de Magrão, também de cabeça, acertar novamente a trave corintiana. Quando o time da casa dava a impressão de que iria encurralar o adversário no campo de defesa, uma bela linha de passe construída dentro da área do Azulão, que começou com Luizão tocando de cabeça para Éwerthon que, por sua vez, passou para Ricardinho. O meia recebeu a bola de frente para o goleiro Silvio Luiz e só teve o trabalho de escolher o canto, fazendo o primeiro gol. A partida voltou, então, a ter as mesmas características do início. Abalado com o gol, os donos da casa retraíram-se, arriscando apenas despretenciosos chutes de fora da área, querendo aproveitar o estado do gramado, muito molhado pela forte chuva que caiu sobre o ABC na tarde de hoje. Enquanto isso, a equipe de Wanderley Luxemburgo desperdiçava chances, sobretudo com Luizão e Éwerthon. Mas bastaram poucos minutos para Jair Picerni reorganizar seu time, principalmente acertando o posicionamento de Wagner no ataque, que passou a jogar mais enfiado entre os zagueiros. Aos 27, César, sempre pelo lado esquerdo, lançou Esquerdinha que, da entrada da área, apenas tocou para Wagner. Ele só teve o trabalho de encobrir Maurício para empatar a partida. Rogério tentou tirar mas não conseguiu. No segundo tempo os treinadores resolveram mudar. Insatisfeito com o rendimento de Magrão, Picerni decidiu substituí-lo por Sinval, visando a deixar o ataque do Azulão mais veloz. Já Luxemburgo foi mais radical. Diante da desesperadora situação de seu time na classificação, ele sacou o volante Pereira e colocou o jovem Gil, deixando o time com três atacantes. As alterações deixaram as equipes mais ofensivas e, conseqüentemente, o jogo mais aberto. No entanto, ambos os times demonstravam falhas na conclusão, como Kléber e Luizão, pelo lado do Corinthians, e Sinval, que aos 19 e 42 minutos, quase desempatou, não fossem duas boas defesas de Maurício.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.