Bruno Teixeira / Ag. Corinthians
Bruno Teixeira / Ag. Corinthians

Corinthians e Ferroviária duelam por hegemonia no Campeonato Brasileiro Feminino

Equipes se enfrentam neste domingo, às 14h, na Fazendinha, pela decisão do torneio

Daniele Bellini e João Prata, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2019 | 04h30

Corinthians e Ferroviária disputam neste domingo, às 14h, no Parque São Jorge, a final do Campeonato Brasileiro Feminino. Na primeira partida da decisão, na Fonte Luminosa, em Araraquara, os times empataram por 1 a 1. Agora, quem vencer fica com a taça. Se houver nova igualdade o título será definido nos pênaltis.

Curiosamente, será o quarto confronto consecutivo entre as equipes. Por causa de um calendário desorganizado, a semifinal do Campeonato Paulista e a decisão do Brasileiro encavalaram. No Estadual, o Corinthians levou a melhor com duas goleadas: 4 a 0 e 5 a 1 e agora decidirá o título contra o São Paulo.

Corinthians e Ferroviária tentam levantar a taça do Brasileiro pela segunda vez na história - disputada desde 2013, a competição não tem nenhum bicampeão. Os números colocam o time da capital como favorito. Além das duas goleadas recentes sobre a equipe de Araraquara, as meninas comandadas por Arthur Elias são as atuais campeãs nacionais.

GUINNESS BOOK

Nesta temporada, o Corinthians emplacou 34 vitórias consecutivas, um recorde mundial que irá para o Guinness Book - a marca anterior pertencia ao The New Saints, do País de Gales, que tinha 27 triunfos consecutivos. Quando o Corinthians chegou à 28ª vitória, em agosto, recebeu da Fifa a confirmação de que era o novo recordista. A última derrota do time feminino alvinegro aconteceu em 21 de março, contra o Santos, por 2 a 1, pela segunda  rodada do Brasileiro. 

No futebol feminino desde 2006 e há três como técnico do Corinthians, Arthur Elias minimizou os números alcançados até agora. "A expectativa é ser campeão. Equipe foi criando consistência ao longo do ano. Fomos superiores nos jogos. O time tem alternância de sistema que as atletas entendem muito bem. O caminho é esse. Vamos tentar impor o que a gente sabe que é capaz e trazer essa alegria para o nosso grupo e para o torcedor", afirmou.

A Ferroviária, no entanto, foi o time que quebrou a sequência vitoriosa ao conseguir o empate no jogo de ida da decisão. Campeãs nacionais em 2014, as Guerreiras Grenás, como são carinhosamente conhecidas, já conquistaram quatro títulos Paulistas, uma Copa do Brasil, em 2014, e um título da Copa Libertadores da América, em 2015. 

O fato de existir há quase duas décadas, enquanto times como São Paulo, Palmeiras e o próprio Corinthians já montaram e desmontaram diversas vezes suas equipes femininas, credenciam a Ferroviária como um time sólido dentro do cenário esportivo.

CORINTHIANS: EXPERIÊNCIA + JUVENTUDE

O Corinthians conta com um time que mescla juventude e experiência.  A lateral-esquerda Tamires, 31 anos, foi um dos destaques da seleção brasileira na Copa do Mundo da França recentemente e foi contratada pelo time alvinegro depois de passar três anos no futebol da Dinamarca. 

"O Corinthians vem fazendo um ano excelente e fico feliz de chegar fazer parte da história e deixar esse legado para a equipe. As duas equipes são fortes, jogam um futebol bonito e vamos tentar trazer o bicampeonato para o Corinthians."

No domingo, ela terá a companhia dos familiares na arquibancada que vieram de Caeté, Minas Gerais. A expectativa é dedicar a taça ao filho Bernardo, que completou 10 anos no sábado. "Vai ter um gostinho especial o título. Meu filho já compreende e interage muito comigo, está torcendo bastante por nós. É uma força a mais para que possa fazer um bom jogo", declarou.

A aposta para o futuro está na atacante Victoria, de 21 anos, que recentemente foi convocada para a seleção brasileira o lugar de Marta. "Troca de experiência muito boa. Elas passaram por algumas que não passei e isso me ajuda muito. Me ajudam na parte de ter confiança, de não me sentir menor por causa da idade. Elas me ajudam muito."

FERROVIÁRIA: CONSISTÊNCIA 

A consistência da Ferroviária em manter um time por quase duas décadas chamou a atenção da meia-atacante, Aline Milene, que chegou na Ferroviária nesta temporada. A atleta jogou durante cinco anos na liga universitária dos EUA, voltou ao Brasil este ano e está colhendo os frutos da boa campanha que faz com seu atual time. Ela foi convocada novamente pela técnica Pia Sundhage para defender a seleção feminina nos amistosos contra Inglaterra, no dia 5 de outubro, e Polônia, no dia 8.

"Só tenho que agradecer, é mais uma oportunidade que a Pia está me dando. Poder representar a seleção brasileira e poder representar a Ferroviária lá é de suma importância para mim. Essa oportunidade é sempre grandiosa, sempre dá aquele frio na barriga quando você recebe a notícia. Para mim é gratificante demais vivenciar esse momento aqui na Ferroviária que é uma grande equipe."

DE OLHO NA LIBERTADORES

A decisão do Brasileiro pode não ser o último encontro entre as equipes. Isso porque Corinthians e Ferroviária serão os representantes brasileiros na Libertadores Feminina que acontecerá entre os dias 11 e 27 de outubro, em Quito, no Equador. 

"Estamos muito satisfeitos com o desempenho do grupo até aqui mas ainda temos uma grande competição que é a Copa Libertadores, e vamos em busca de resultados expressivos", destacou a técnica da equipe de Araraquara, Tatiele Silveira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.