Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Corinthians e Grêmio são líderes em campo e também nas estatísticas

Equipes estão entre as melhores em diversos quesitos durante o Campeonato Brasileiro

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2017 | 07h00

Não é só a posição da tabela que explica por que Grêmio e Corinthians são considerados os melhores times do futebol brasileiro na atualidade. As equipes também aparecem no topo da maioria das estatísticas do Campeonato Nacional. Alguns números ressaltam o desempenho de ambos e mostram como chegaram, nesta fase da competição, a estágio bem superior dos demais concorrentes.

O Grêmio é o melhor mandante do campeonato, com quatro vitórias (100% ), e dono do melhor ataque (23 gols). Só que amanhã irá receber em sua arena o Corinthians, melhor visitante do torneio, com três vitórias e um empate, e que tem a defesa menos vazada (5).

Com formação e proposta claramente ofensivas, os gremistas têm como principal característica o toque de bola e a objetividade. Por isso, estão entre as equipes que mais finalizam. 

Os comandados de Fábio Carille conseguiram chegar à incrível marca de 22 jogos de invencibilidade (contando toda a temporada) também apostando em manter a bola no pé, mas sem a mesma objetividade do rival. Por isso, o Corinthians não aparece entre os que mais finalizam. No entanto, está entre os que mais driblam.

Por terem o toque de bola como características semelhantes, os dois primeiros colocados – o Corinthians tem 23 pontos e o Grêmio 22 – estão entre os times que mais trocam passes e que menos cometem faltas. Destaques individuais para o lateral-esquerdo Guilherme Arana, do Corinthians, e o volante Artur, do Grêmio – ambos figuram entre os maiores passadores do Brasileiro. 

Com comportamentos diferentes, Carille e Renato Gaúcho usam números e retrospectos de formas distintas. O corintiano prefere minimizar os dados, por entender que podem aumentar ainda mais a pressão sobre seus atletas. “Temos de encarar todos os jogos com seriedade e não nos preocupar com esses dados”, prefere o concentrado treinador.

Renato Gaúcho tem um estilo mais motivador e deve usar a boa fase do adversário como um ingrediente extra para os gremistas lutarem para conquistar a quinta vitória em casa. 

Para o Corinthians, além da possibilidade de abrir pela primeira vez quatro pontos para o segundo colocado, o time viverá uma experiência diferente. Será a oportunidade de ver como os jogadores irão se comportar diante de um estádio lotado com torcida contra, algo que ocorreu apenas uma vez este ano, nos 2 a 0 sobre o São Paulo na primeira fase do Paulista. 

“Vai ser uma prova mental. O futebol se ganha com a cabeça e inteligência. Estou ansioso para ver como o time vai reagir a essa ideia de jogo. Mas muito confiante em fazer um grande jogo”, comentou Carille.

Sem clima de final. O sentimento de decisão que tomou conta dos torcedores passa longe do CT Joaquim Grava. É o que garante Carille. Ontem, ele voltou a garantir que ninguém na equipe vê o jogo como uma final. Até porque o campeonato está na 10.ª de 38 rodadas.

“Não encaramos o jogo como uma final porque não é uma final, é diferente. Final nós fizemos contra a Ponte (no Campeonato Paulista) e tem outros campeonatos que têm mesmo uma decisão. Vamos lá para fazer um jogo importante, como foram outros que fizemos. Tem sua importância por ser os dois times da ponta, mas não é decisivo”, comentou. 

Em relação ao time, Paulo Roberto no lugar de Gabriel, suspenso, é a única novidade.

 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Corinthiansfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.