Rodrigo Coca/Ag. Corinthians e Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians e Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Corinthians e Palmeiras fazem clássico para aliviar a pressão sobre os treinadores

Tiago Nunes e Vanderlei Luxemburgo se reencontram após final do Paulista em clima de muito mais cobrança neste início de Brasileiro

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 05h00

Um mês depois de terem decidido o Campeonato Paulista, o Corinthians, do técnico Tiago Nunes, e o Palmeiras, de Vanderlei Luxemburgo, se reencontram nesta quinta-feira, às 19h15, pelo Campeonato Brasileiro, em situação bem diferente. Em vez da expectativa pelo título e do status de finalista, os dois treinadores disputam na Neo Química Arena quem terá mais chances de ter tranquilidade para seguir no cargo.

O clube mandante é quem vive no momento a maior pressão pelos resultados. Com uma vitória nos últimos quatro jogos, o Corinthians iniciou a rodada apenas na 11ª posição e longe de convencer, principalmente dentro de casa. Foram dois empates nos últimos jogos na arena e agora a cobrança é grande para vencer pela primeira vez uma partida no estádio rebatizado. O resultado servirá até para superar a derrota no último clássico paulista diante do São Paulo.

O técnico ironizou no último sábado a pressão sobre a continuidade no cargo e garante que continua trabalhando normalmente. "Já ouvi que meu cargo estava em jogo em janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, julho, agosto. Agora estamos em setembro e continuo ouvindo isso. Uma hora alguém vai acertar, faz parte do futebol", disse.

Pelo menos na véspera do clássico o elenco teve um incentivo extra. A diretoria acertou três meses de salários que estavam em atraso. Agora resta somente quitar o vencimento referente a agosto. Quem confirmou o pagamento foi o diretor de futebol Duilio Monteiro Alves, que se afastará do cargo para concorrer à presidência do clube.

O time deve ter como modificação a presença do meia venezuelano Otero entre os titulares na vaga de Gustavo Mosquito. Confirmado no time, o meia colombiano Cantillo garantiu que os estrangeiros do elenco já aprenderam a importância de um dérbi. "Com essas partidas que jogamos, entendi a rivalidade que há ente Corinthians e Palmeiras. É muito grande. As pessoas dão a vida por essa partida", disse.

No Palmeiras a pressão é um pouco menor. O único invicto do Campeonato Brasileiro conseguiu aliviar o ambiente graças a gols nos últimos minutos das partidas contra o Inter e Red Bull Bragantino. A equipe conseguiu assim um empate e uma vitória e continua na briga pelas primeiras posições.

No entanto, Luxemburgo encarou recentemente críticas da torcida e pressão nos bastidores do Palmeiras mesmo poucas semanas depois de ter sido campeão estadual diante do rival. Fora isso, uma derrota no clássico traria de volta essa pressão às vésperas do reinício da Copa Libertadores. Semana que vem o time encara o Bolívar, em La Paz.

A expectativa para o dérbi é pela presença no time titular de Gabriel Veron. O atacante foi o destaque do jogo com o Red Bull Bragantino ao marcar um gol e dar passe para o outro. Foi a primeira partida dele após se recuperar de um problema físico sofrido em julho. Depois de cumprir suspensão pelo terceiro cartão amarelo, o zagueiro Luan retorna para formar a defesa com Gómez. 

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS X PALMEIRAS

CORINTHIANS: Cássio, Fagner, Gil, Danilo Avelar e Lucas Piton; Camacho, Cantillo, Ramiro, Araos e Otero; Jô. Técnico: Tiago Nunes.

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Matías Viña; Patrick de Paula, Gabriel Menino, Zé Rafael e Lucas Lima; Gabriel Veron e Luiz Adriano. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Juiz: Leandro Vuaden (RS)

Local: Neo Química Arena

Horário: 19h15

Na TV: Pay-per-view

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.