José Luís da Conceição/AE
José Luís da Conceição/AE

Corinthians e São Paulo reprovam arbitragem do clássico

Clubes ficam irritados com a atuação de Ricardo Marques Ribeiro e seus auxiliares no confronto deste domingo

Giuliander Carpes, Agencia Estado

27 de setembro de 2009 | 19h38

Tanto São Paulo quanto Corinthians saíram de campo com muitos motivos para reclamar do árbitro Ricardo Marques Ribeiro. Como de costume, o clássico foi repleto de lances controversos. A começar pelo gol corintiano, passando por um anulado dos alvinegros no segundo tempo e terminando no tento de empate são-paulino.

Veja também:

linkSão Paulo e Corinthians ficam no 1 a 1

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"O que aconteceu aqui foi uma vergonha", reclamou o presidente corintiano Andrés Sanchez. "O árbitro entrou pressionado. O São Paulo é expert em fazer isso, publicam matérias sobre os erros de arbitragem no site deles. E hoje (domingo) já sai reclamando para pressionar para a próxima rodada."

O dirigente não entendeu que Ronaldo fez falta em lance que Dentinho aproveitou sobra para empurrar para a redes no segundo tempo. Mano Menezes fez coro ao mandatário corintiano, apesar de ter isentado o trio de arbitragem de responsabilidade no gol de empate são-paulino, em que Washington deu toque de categoria sobre Felipe, mas em posição de impedimento.

"Não gostei nada da arbitragem. Esses lances de impedimento acontecem, é normal errar uma ou outra vez. Mas o gol nosso que o juiz anulou foi um absurdo", criticou o treinador. "Sem contar a sucessão de faltas que houve e ele não coibiu. Depois expulsou o Washington para parecer que prejudicou o São Paulo", bradou.

Os são-paulinos não perderam também a sua chance de questionar o árbitro. O motivo foi a autorização que o juiz deu para o atacante adversário Dentinho entrasse em campo e pudesse se aproveitar da posição para roubar a bola de Jean no lance que resultou no primeiro gol da partida.

"Na hora que a bola está vindo, com eu de costas, o juiz solta (libera) o jogador do nada. Daí fica complicado", afirmou Jean. Richarlyson deu o passe para o ala e também não viu que o atacante estava liberado para entrar em campo depois de receber atendimento médico. "Tudo bem que também falhamos na jogada, mas o gol no começo nos deu uma esmorecida."

O juiz deu cartão amarelo para Washington no gol são-paulino porque o atacante tirou a camisa na comemoração. Minutos depois, reclamou e foi expulso. O São Paulo ficou apenas com Borges para compor o ataque para a partida contra o Náutico, quarta-feira, nos Aflitos, em Recife. Dagoberto recebeu o terceiro cartão amarelo e também está suspenso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.