Maurício Castañeda
Maurício Castañeda

Corinthians e São Paulo se poupam para a batalha de quarta-feira

De olho no clássico de quarta-feira pela Libertadores, o Corinthians jogará com os reservas e o São Paulo poupará alguns titulares

Gonçalo Junior e Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

14 de fevereiro de 2015 | 07h00

Desde que o Corinthians fez 4 a 0 no Once Caldas, na primeira partida da pré-Libertadores, e deixou quase garantida a vaga no grupo do São Paulo (completam a chave San Lorenzo e Danubio), os jogadores dos dois clubes paulistas ficaram com ideia fixa no clássico. “Não dá para pensar em outra coisa”, admitiu Souza, do São Paulo. “Vou tentar resumir: são dois campeões mundiais. Isso é muito grande, gente. Isso é orgulho para as duas torcidas. Mas que seja um jogo de paz”, afirmou Tite, antecipando a preocupação com a segurança. 

Essa expectativa também contagia os torcedores. Antes do clássico contra o Santos, na quarta-feira, na Vila Belmiro, a principal torcida organizada do São Paulo determinou: “é quarta-feira”, referência à data do primeiro confronto entre os dois gigantes na história da Copa Libertadores. As duas comissões técnicas, obviamente, perceberam o tamanho da encrenca e deixaram os jogos do Paulistão em segundo plano ou, no máximo, como laboratório para o clássico. 

Depois da desgastante viagem para Manizales, onde a equipe enfrentou o Once Caldas quarta-feira pela pré-Libertadores, a ordem no Corinthians é recuperar os jogadores fisicamente para o time chegar 100% na abertura da fase de grupos do torneio continental. Nenhum titular do jogo na Colômbia estará em campo hoje contra o Botafogo pelo Campeonato Paulista.


A delegação corintiana chegou ao Brasil na madrugada de sexta-feira, depois de cerca de 12 horas de viagem. Jogadores, comissão técnica e diretoria deixaram Manizales de ônibus, foram até Pereira e depois pegaram o avião até Bogotá, de onde partiu o voo para o Brasil. 

No São Paulo, Muricy Ramalho também vai poupar titulares contra o Bragantino. O objetivo é evitar lesões. Até Rogério Ceni, herói do empate contra o Santos, deve ficar fora, algo raro na carreira do goleiro. Rafael Toloi e Denilson também serão poupados. “O problema não é o cansaço, mas o risco de lesões”, disse o treinador. 

Por outro lado, ele quer testar o zagueiro Dória, recém-contratado e que poderá ser escalado na quarta-feira. Alan Kardec vê o jogo de hoje como a chance de garantir sua escalação contra o Corinthians. “É um jogo muito importante. Se eu for bem, posso garantir a vaga no clássico.” 

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCorinthiansSão Paulo FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.