Divulgação
Divulgação

Corinthians enaltece defesa enquanto ataque míngua no Brasileiro

Setores vivem situações opostas dentro do próprio time de Tite

O Estado de S. Paulo

27 de julho de 2015 | 07h00

O Corinthians vive situações opostas dentro da própria equipe. Enquanto o ataque Alvinegro tem dado calafrios aos torcedores, a defesa vive um momento excepcional, mesmo tendo levado o gol no final da partida contra o Coritiba no domingo. O setor ofensivo, entre os primeiros colocados é o pior: apenas 17 gols marcados contra 29 do Atlético-MG e 26 de Palmeiras e Sport, que completam o G-4. Já os defensores estão isolados como os melhores do Campeonato Brasileiro, com apenas nove gols sofridos.

Mais do que isso, o time estava perto de alcançar o recorde histórico de jogos sem sofrer gols, de sete partidas, conquistadas pelo Corinthians em 1978. A atual sequência, de cinco jogos (Atlético-MG, Flamengo, Atlético-PR, Goiás, Ponte Preta), foi quase ampliada contra o Coritiba, quando o time acabou tomando o gol nos acréscimos. Mesmo com a saída de Fábio Santos e o normal revezamento de jogadores durante o Campeonato não afetaram o firme setor defensivo do técnico Tite.

Mesmo com o revés o time já superou todas as outras defesas do clube na era dos pontos corridos. Em 2006, 2013 e 2014 foram no máximo quatro jogos sem ver os adversários balançarem as redes corintianas. O recorde é do São Paulo, com nove partidas. 

Já o ataque acaba absorvendo todas as críticas do time. Sem Paolo Guerrero e Emerson, ambos atualmente no Flamengo, o setor sofre com a falta de gols. Vagner Love e Malcom tem somados apenas quatro gols marcados. Menos do que o artilheiro do time, o meia Jadson, com seis. A última vez que Love balançou as redes foi no dia 2 de julho, contra a Ponte Preta. 

A pressão ainda aumenta com a constante busca da diretoria por um ataque. Após a fracassada tentativa de trazer Teó Gutiérrez, atacante do River Plate, os cartolas alvinegros estão atrás de Jonathas, do Elche, autor de 14 gols no último Campeonato Espanhol. Na coletiva após o jogo, inclusive, Tite falou que o setor ofensivo estaria "em formação". 

"Não adianta se não jogar", foi a explicação do treinador após o empate amargo em Curitiba. O desafio do Corinthians nas próximas semanas é manter a consistência defensiva e, definitivamente, melhorar o ataque. Sem gols será difícil alcançar o Atlético-MG.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.