Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Corinthians enfrenta o Mogi Mirim para sair da crise

Equipe acumula quatro derrotas consecutivas e está na lanterna do Paulistao

Vitor Marques, O Estado de S. Paulo

09 de fevereiro de 2014 | 08h33

MOGI MIRIM - O jogo deste domingo em Mogi Mirim (SP), às 19h30, no estádio Romildo Ferreira, pela sétima rodada do Campeonato Paulista, pode mudar o rumo deste Corinthians. Para o bem ou para o mal. Se vencer, ameniza a crise depois de quatro derrotas consecutivas, algo que não acontecia havia 27 anos. Porém, se perder, a semana será de pressão total até o clássico contra o Palmeiras, no próximo domingo.

A situação é crítica. O Corinthians entra em campo como o lanterna do Grupo B, em quinto lugar, com apenas seis pontos, devido à vitória do Ituano na última sexta-feira. Por ora, o técnico Mano Menezes está garantido no cargo e não há risco de demissão, garantiu o presidente Mário Gobbi. Mas é preciso resultados imediatos, ainda que o treinador tenha em mãos uma difícil missão, a de remontar um time com o campeonato em andamento.

"Nunca fico tranquilo quando o resultado de campo não é bom. É porque não gosto de perder, não vivemos de derrota, vivemos de vitórias. Apesar da confiança (do discurso) do presidente, não podemos estender momentos ruins", disse o comandante corintiano.

Mano Menezes criou um raciocínio o qual o Corinthians está em evolução, que o time evoluiu no setor de criação e que a derrota, a última, para o Bragantino, foi um resultado injusto. E ele quer que a goleada sofrida para o Santos não seja levada em conta nesta análise pelo placar fora do comum: 5 a 1.

Há o outro lado da moeda. Após os dois jogos iniciais, onde vislumbrou-se algo embora os rivais fossem fracos, o Corinthians perdeu quatro jogos de todas as formas. Primeiro Mano Menezes testou Ibson e Alexandre Pato, atletas que já não estão mais no elenco. Depois, com a formação das duas rodadas iniciais, foi massacrado pelo Santos.

Mano Menezes ainda resgatou do limbo atletas como Ramirez e deu chance a Zé Paulo, promissor garoto da base que entrou em uma fogueira. "Não me arrependo, precisava fazer outras observações pra tomar decisões importantes que tinham de tomar e tomamos", afirmou o treinador sobre ter mexido no time para dar chance a jogadores que deixaram o clube.

Em comum, todas as derrotas comprovaram que a defesa do Corinthians está desarrumada: 11 gols sofridos em seis jogos. Mas a novidade de Mano Menezes para o jogo contra o Mogi Mirim é uma mudança no ataque: saiu Guerrero, tido como insubstituível, e entra Emerson, um jogador que a diretoria tenta empurrar para qualquer clube que esteja disposto a pagar seu salário.

Mano Menezes acredita que com a saída de Guerrero o time vai melhorar na criação. Ramirez e Zé Paulo estão mantidos no meio de campo. "Quero tentar algo diferente num setor que não está dando resultado", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.