Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Corinthians escolhe seu novo presidente em disputa equilibrada

Candidato da situação, Roberto Andrade disputa com Antônio Citadini, da oposição, quem vai ser o sucessor de Mário Gobbi

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2015 | 07h00

O Corinthians deverá ter neste sábado uma das eleições mais acirradas das últimas décadas. Pesquisas internas apontam que a disputa entre Roberto de Andrade e Antônio Roque Citadini deve ser decidida por uma pequena margem de votos. Levantamento contratado pela situação indica vitória apertada de Andrade, e pesquisa encomendada pelos oposicionistas coloca Citadini como futuro presidente do Alvinegro.

A votação será realizada em urnas eletrônicas no Parque São Jorge das 9h às 17h. A previsão da Comissão Eleitoral é de que a apuração não demore mais do que 30 minutos, e o vencedor seja anunciado logo em seguida. São 11 mil sócios aptos para votar (oito mil remidos e três mil chamados “patrimoniais”). Mas a estimativa é de que apenas quatro mil compareçam para sufragar. Também neste sábado serão eleitos 200 conselheiros e 50 suplentes.


Em 2012, Mário Gobbi foi eleito presidente com 60% dos votos. O oposicionista Paulo Garcia teve 40%. Nos últimos três anos, apesar dos títulos da Libertadores e do Mundial, a chapa “Renovação e Transparência”, que antes de Gobbi também elegeu Andrés Sanchez em 2007 e 2009, tem enfrentado problemas no clube. Luis Paulo Rosenberg, ex-diretor de marketing e vice-presidente, por exemplo, deixou o grupo para juntar-se à oposição. O próprio Gobbi desentendeu-se com aliados e não se empenhou com afinco na campanha de Andrade.

A oposição, em contrapartida, uniu-se em torno de Citadini. Nomes como Paulo Garcia e Osmar Stabile, que já disputaram a presidência do clube, resolveram abrir mão da candidatura em prol de Citadini, que também passou a contar com o apoio de Ilmar Schiavenato. Ex-diretor de Gobbi, Schiavenato teve a sua candidatura impugnada por irregularidades no registro dos seus dois vice-presidentes.

O novo presidente do Corinthians assumirá um clube em dificuldades financeiras. A diretoria passou praticamente todo o ano de 2014 cortando gastos e, mesmo assim, ainda deve direitos de imagem para alguns jogadores. A dívida total passa dos R$ 300 milhões, de acordo com balanço divulgado quinta-feira. A partir de julho o clube terá de pagar todo mês R$ 5 milhões referentes aos empréstimos da obra do estádio.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.