Corinthians espera acabar com jejum

Não é só no campo que o Corinthians vive fase de sorte. O time terá neste domingo, na Vila Belmiro, a chance de vencer o adversário que o incomoda - e muito - há dez jogos. São oito derrotas, dois empates e nenhuma vitória nas últimas partidas contra o Santos. Onde está a sorte? No fato de domingo estar livre do fantasma Robinho, que nunca perdeu para o time do Parque São Jorge. Foram seis vitórias santistas e dois empates com ele em campo. Jogando no ataque, os corintianos tentarão a sexta vitória seguida e a liderança do Brasileirão."O Santos estará sem o melhor jogador do futebol brasileiro. Sem Robinho, o potencial do time cai demais. O prejuízo será deles", resume Wendel, que atuará no lugar de Marcelo Mattos, suspenso. "Não dá para negar o potencial do Robinho. Ele pode desequilibrar qualquer partida. Se ele não jogar por causa de sua negociação com o Real Madrid, melhor para nós. Não vou reclamar, não", brinca, aliviado o técnico Márcio Bittencourt.Na verdade, sem a presença de Robinho, toda a atenção do setor defensivo corintiano ficará dirigida a Giovanni e Ricardinho. Márcio treinou muito a aproximação do meio-de-campo com a defesa. O treinador quer encurralar os dois articuladores santistas, que ele considera o maior perigo do jogo na Vila."Giovanni voltou diferente da Europa. Ele já saiu do Brasil jogando muito bem, mas lá ele evoluiu, aprendeu a proteger melhor a bola, a ser imprevisível. Ele é capaz de, com um toque de calcanhar, desarmar a defesa adversária. Não podemos lhe dar espaço para pensar", avalia Wendel, que terá a missão de grudar em Giovanni.A marcação em cima de Ricardinho será por setor. Todos no Corinthians sabem que ele não atua em um só lado do campo. Pelo contrário: fica sempre se movimentando para causar confusão na marcação. Houve uma conversa de Márcio com o time em relação aos gols que a equipe vem tomando. Até o empresário Kia Joorabchian dá uma de técnico. "Estamos tomando gols por desatenção. O time precisa estar atento e treinar mais", cobrou o dirigente.E o treinador repassou a cobrança. Mas os zagueiros protestam. Dizem não ter culpa sozinhos pelos 34 gols que o time sofreu e que deixou a equipe como uma das piores defesas do Brasileiro. "Todo mundo só sabe cobrar dos jogadores que atuam com a camisa 3 ou 4 pelos gols que o Corinthians sofre. É injusto. Todo o time está na área nos cruzamentos de bola parada. A culpa deve ser repartida por todo mundo: volantes, laterais, atacantes. Nós, zagueiros, estamos sendo muito crucificados. Não concordo com o que estão fazendo com a gente", desabafa Betão, que entrará no time no lugar de Marinho.Márcio concorda com a reclamação dos zagueiros. E pretende recuar um pouco Mascherano. Só que existe um ?pensamento ofensivo? até nesse recuo - liberar de vez Gustavo Nery para o ataque, onde está tendo ótimo rendimento. "Nós iremos para a Vila armados para ganhar o jogo. Não vamos ficar esperando o Santos, empurrado pela sua torcida, nos atacar. Temos potencial para nos impor. Depois do jogo a gente vê como ficou essa história de jejum", ironiza Márcio. Tevez treinou nesta sexta-feira. Continua sentindo dores no cotovelo, mas jogará. "Quero Tevez em campo", avisa o técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.