Corinthians está cansado das "viradas"

As vitórias de virada estão cansando o Corinthians. O poder de reação do time torna as partidas mais emocionantes e com grande dose de suspense - bem ao gosto do torcedor, que no final é recompensado com um belo triunfo. Os jogadores admitem que ganhar de virada aumenta a alegria e a confiança. No entanto, o preço a pagar é alto: o desgaste físico é grande, bem maior do que quando a equipe tem o domínio do marcador. Como o tempo de recuperação entre uma partida e outra nesta altura do campeonato é curto - jogos no meio e no fim de semana -, os corintianos entendem que está na hora de vencer com mais tranqüilidade. "No final de uma partida como a contra o Cruzeiro (4 a 3, de virada, ontem), sinto exaustão. No dia seguinte, um cansaço extremo. Claro que também sinto uma grande alegria, mas não é fácil", disse o meia Roger, o melhor jogador contra os mineiros. Neste Brasileiro, em 15 rodadas o Corinthians obteve seis de suas 10 vitórias de virada - sendo quatro das cinco últimas. O Corinthians tem 31 pontos no Brasileiro, está em franca ascensão e seus jogadores têm convicção de que a liderança virá. E com o time menos desgastado fisicamente, a concretização do objetivo será mais fácil. "A gente sabe como é desgastante vencer de virada. Vamos tentar corrigir isso. Se o time puder evitar (as viradas) e sair na frente nos jogos, vai ser melhor", entende Jô. O atacante considera que as vitórias suadas e sofridas são "a cara do nosso grupo de jogadores". "É bem gostoso ganhar assim." Mas admite. "Seria melhor se as vitórias viessem sem sufoco." Roger concorda e lembra que a fórmula de disputa do Brasileiro - por pontos corridos - já expõe naturalmente os jogadores a um esforço maior. "Você não pode se dar ao luxo de diminuir o ritmo em determinada partida, porque não existe um jogo menos importante que o outro". Ele reconhece que as viradas corintianas são boas como espetáculo. "Tornam os jogos emocionantes, para quem não tem problema de coração. O jogador também sai de campo aliviado, mas exausto." Como o intervalo entre as partidas é curto, o meio-campista entende que a melhor maneira de recuperar as forças é o que ele define como "treino invisível". "É o descanso, a alimentação correta, o respeito aos horários. O nosso grupo é jovem, mas tem grande responsabilidade. Sem esquecer que os nossos preparadores físicos estão fazendo um grande trabalho." Domingo o Corinthians faz o clássico contra o Santos e todos esperam outro jogo desgastante - mesmo se o time não tiver de buscar mais uma virada. "O Santos é uma equipe experiente. Claro que a saída de jogadores importantes complica. O time vem de três derrotas, a torcida certamente vai empurrá-los e isso dificulta" , diz Roger. Tevez - O argentino machucou o cotovelo direito contra o Cruzeiro. Não houve fratura e a dor diminuiu. Tevez treina nesta sexta e, se nada sentir, enfrenta o Santos. Wendel substitui Marcelo Mattos, suspenso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.