Corinthians está com tempo para churrasco

Com toda a vergonha, como se estivesse cometendo um pecado, a comissão técnica do Corinthians promoveu um churrasco com direito a música muito alta na concentração de Extrema, em Minas Gerais. Tudo foi feito para esconder dos jornalistas que os atletas que acabaram de dar um dos maiores vexames da história corintiana no Campeonato Paulista iriam deixar de treinar para se esbaldar com a festança na piscina. Festejaram à tarde e também ficarão de folga nesta sexta-feira pela manhã. "Vocês da imprensa têm de ir embora. Ninguém pode chegar perto. Sabemos que os jornalistas estão aqui para complicar a nossa vida", ameaçava um dos 12 truculentos seguranças contratados pela diretoria. Do lado de fora do hotel-fazenda das Amoreiras era possível ouvir a música alta e dos morros ao redor se via a fumaça saindo da churrasqueira. Não se compreende o motivo de tanta animação. Na quarta-feira, os reservas perderam para o Barueri, time da quarta-divisão, por 1 a 0. Nesta quinta-feira pela manhã, o time titular havia feito um péssimo treino. Oswaldo de Oliveira apostava na exata escalação que envergonhou os torcedores no Paulista. Fábio Costa, Rogério, Ânderson, Váldson e Vinícius; Fabrício, Fabinho, Rincón e Rodrigo; Jô e Gil. O coletivo foi um horror. Os titulares ganharam dos reservas repetindo o mesmo placar do Barueri, gol de Rincón. Oswaldo de Oliveira, no entanto, havia inovado a preparação mundial de times de futebol. Antes do coletivo, o treinador promoveu um rachão. Os jogadores quase se ?mataram? para ganhar. Carrinhos e pontapés eram distribuídos à vontade. Depois de 50 minutos de rachão, o coletivo começou. Com os atletas desgastados e irritados. Em toda a rotina dos times de futebol, rachão se faz para terminar qualquer treinamento. Surpreendente foi a revelação de Jô sobre o que acontece depois dos treinamentos, na concentração. "Não, o técnico Oswaldo nunca nos chamou para conversar sobre tática ou mostrou vídeo sobre a maneira que quer o time.Pelo contrário. Só fico jogando videogame." A ociosidade impressiona em Extrema. "Eu tenho aproveitado para ler bastante. E também tenho conversado muito com o Rodrigo, meu companheiro de quarto. Ele está virando para mim quase uma segunda esposa de tanto que estamos juntos", ironiza Edson Pelé. O clima descontraído demais não deixa transparecer que está acontecendo uma peneira em Extrema. Dos 32 atletas que estão comendo churrasco e cantando na cidadezinha mineira, cerca de dez serão dispensados e desvalorizados antes de começar o Campeonato Brasileiro. "Esse é o ambiente do futebol. Não é preciso trabalhar com tensão", diz o diretor técnico Roberto Rivellino. Antes da festança, Adrianinho, Samir, Régis - franco favoritos para serem dispensados - nem participaram do coletivo. Os experientes Rincón e Váldson se recusaram a dar entrevistas nesta quinta-feira antes do churrasco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.