Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Evelton de Freitas/AE
Evelton de Freitas/AE

Corinthians está perto de comprar 50% dos direitos econômicos de Paulinho

Clube vai adquirir parcela que pertencia ao Banco BMG e deve estipular uma multa rescisória de R$ 30 milhões

VÍTOR MARQUES, Agência Estado

24 de agosto de 2012 | 15h52

SÃO PAULO - O Corinthians tem tudo encaminhado para acertar a compra de 50% dos direitos econômicos do volante Paulinho, campeão da Libertadores e que agora também integra a seleção brasileira. A diretoria já acertou praticamente todos os detalhes para ficar com a parte que anteriormente pertencia ao Banco BMG, restando apenas a assinatura do jogador no contrato.

Anteriormente, os direitos econômicos de Paulinho estavam divididos entre o BMG e o Audax-SP, clube ligado ao Grupo Pão de Açúcar. Ao Corinthians restava apenas uma cota de 10%, que seria paga em caso de venda do volante para a Europa - a taxa de vitrine.

Mas o mercado que Paulinho conquistou na Europa fez o clube se movimentar para adquirir parte dos seus direitos. Logo após a Libertadores, o Corinthians recebeu uma proposta da Inter de Milão pelo jogador. Como o volante desejava jogar o Mundial da Fifa, permitiu ao clube paulista dizer não à oferta de cerca de 8 milhões de euros (R$ 16 milhões) - valor da multa rescisória.

Sabendo que a Inter de Milão deve voltar à tona com nova proposta em janeiro de 2013, o Corinthians, já depois da Libertadores, foi atrás do BMG para acertar a compra de metado do contrato do atleta. Os valores não foram divulgados, mas sabe-se que porcentagens dos direitos de outros jogadores serão envolvidas na negociação.

A única pendência na transação é o novo valor da multa rescisória, que deve ficar em cerca de 15 milhões de euros (R$ 30 milhões). O salário, porém, permanecerá o mesmo, uma vez que já houve aumento após o título da Libertadores e a recusa da transferência para o futebol italiano. Da mesma forma, o contrato não será esticado, continuando até 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.