Corinthians faz pressão na Conmebol

Dois motivos fizeram com que o Corinthians fosse representado nesta segunda-feira na sede da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), em Assunção, por uma verdadeira ?tropa de choque". Além do presidente Alberto Dualib, lá estavam o vice de Futebol, Antonio Roque Citadini, e o vice Financeiro, Carlos Mello. ?Os três mosqueteiros" foram tratar de diversos assuntos, como cotas de TV, propaganda estática e calendário da Copa Libertadores da América, e a organização da Copa Sul-Americana. Porém, o mais curioso foi o problema que cerca a próxima partida do clube pela mais tradicional competição do continente, dia 26, contra o Cruz Azul, no México. Na semana passada, a diretoria mexicana, cansada dos vexames do time tanto no campeonato nacional quanto na Libertadores, dispensou todos os jogadores e a comissão técnica. ?Agora precisamos saber se vai haver jogo ou não", afirmou Citadini. De acordo com o planejamento do clube brasileiro, a viagem para a Cidade do México está agendada para a segunda-feira. As despesas pelo deslocamento são responsabilidade das equipes, que custeiam com verbas recebidas da Conmebol. ?Claro que não podemos ficar sabendo disso na realização da partida quando estivermos no México", observou o dirigente corintiano. A expectativa da cúpula da Conferederação é de que o Cruz Azul consiga resolver seus problemas a tempo de continuar disputando a Libertadores. A diretria conversa com os atletas e tenta refazer os contratos. Enquanto isso, permanece no Campeonato Mexicano com um time montado em parte por atletas juvenis. Porém, se decidir pelo abandono da Libertadores, os mexicanos terão de pagar multa de US$ 50 mil, além de ficarem dois anos impossibilitados de disputar qualquer competição organizada pela Confederação Sul-Americana. Mas a grande dúvida dos corinthianos é diante da possibilidade de o Cruz Azul deixar a competição. Neste caso, duas alternativas foram discutidas nos bastidores. A primeira é ignorar toda a participação dos mexicanos. Ou seja, os pontos perdidos e conquistados contra eles seriam desconsiderados. Desta forma, o Corinthians, que venceu a partida realizada em São Paulo, ficaria prejudicado pois perderia os três pontos. Já o The Strongest, da Bolívia, seria favorecido uma vez que foi derrotado. A segunda idéia é simplesmente prosseguir a competição e considerar o adversário vencedor por 2 a 0. Alegria - Enquanto os cartolas negociavam no Paraguai, no Parque São Jorge o ambeinte era tranquilo após a vitória por 3 a 2 contra o São Paulo, na primeira partida pela final do Campeonato Paulista. Os jogadores que atuaram se reapresentaram nesta segunda-feira pela manhã, apenas para realizar a tradicional imersão no gelo. Ainda repercutiram as palavras do volante Vampeta, que na véspera ?intimou" os dirigentes do futebol e do Departamento Jurídico do clube a brigarem com a Federação Paulista de Futebol para que o time possa até perder por um gol, sábado, na segunda partida da final do Paulista. ?Se conseguirmos, poderemos perder até por 1 a 0, é claro que faz diferença", afirmou o atleta. E sua idéia já encontou adeptos. O zagueiro Fábio Luciano, autor do segundo gol no domingo, concordou. ?Se temos este direito, devemos brigar por ele."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.