Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Corinthians assina contrato para batizar seu estádio em Itaquera por 20 anos

Presidente Andrés Sanchez fechou o negócio na última última quinta-feira, mas não revelou o nome da empresa nem o valor da transação; estima-se que seja de R$ 300 milhões

João Prata, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2020 | 18h33

O Corinthians fechou acordo para os naming rights de sua arena. Seis anos depois da inauguração do estádio em Itaquera, palco da abertura da Copa do Mundo de 2014, o clube assinou na quinta-feira da semana passada contrato estimado em R$ 300 milhões pela concessão do nome da arena pelos próximos 20 anos. O valor não é confirmado pelo clube, assim como outros detalhes da transação. O nome da empresa também é mantido em segredo e será divulgado oficialmente em 1º de setembro, data em que o Corinthians completará 110 anos.

A parceria ajudará no pagamento da dívida do estádio e também no time de futebol, como queria o presidente Andrés Sanchez. Ainda não está definido como a marca será utilizada totalmente no clube. O site Uol informou nesta quinta-feira que se trata da Hypera Pharma, conglomerado farmacêutico que já foi parceiro do Corinthians num passado recente. Andrés não confirma nem nega. Procurada pelo Estadão, a empresa não retornou as chamadas. Em 2010 e 2011, o clube estampou em sua camisa a marca Neo Química, pertencente ao grupo em questão. Nesta semana, também foi ventilado o nome da empresa Magazine Luiza, a Magalu, mas a empresa negou a informação.

Os naming rights da arena contam com aprovação da Odebrecht e da Caixa Econômica Federal, com quem o clube se endividou para construção da obra. O banco informa que o Fundo da Arena Corinthians deve R$ 536 milhões. O clube contesta e diz que a dívida está em torno de R$ 485 milhões. A discussão foi parar na Justiça no ano passado, mas o processo está suspenso para tentativa de negociação. Com a construtora, o Corinthians alega ter quitado boa parte do que deve. A Odebrecht fala em R$ 160 milhões.

O presidente Andrés Sanchez vem dando pistas na sua conta do Twitter sobre a negociação. Nesta quinta-feira, ele escreveu: "Parabéns, bem-vinda, vai, Corinthians", sem dar mais pistas sobre o que estaria falando. Pessoas ligadas a ele dizem que é sobre a promessa feita no passado de conseguir o dinheiro para bancar o estádio do time. No domingo, ele postou: "Estamos bem perto. Já já vem, mas nunca esteve na camisa do Timão". O recado serviria para afastar a hipótese de que a nova parceira seria a Hypera Pharma e o Magalu, ambas as empresas já estamparam suas marcas no uniforme corintiano. O presidente do Corinthians comandou ele próprio toda a negociação com a empresa, com cláusulas de sigilo.

O acordo firmado na quinta passada coloca fim à principal dor de cabeça da diretoria nos últimos anos. O Corinthians tenta vender os naming rights do seu estádio desde o início das obras. São dez anos. A demora para fechar um acordo geraram dívidas e processos na Justiça. Em 2012, o então vice-presidente Luis Paulo Rosenberg chegou a comentar que estava próximo de um final feliz e disse que negociava com empresas voltadas para o setor de consumo. Não deu certo. 

Andrés, nesse período, comentou que quem oferecesse R$ 400 milhões garantiria o naming Rights da casa alvinegra. Esse era o valor pedido na inauguração do estádio - R$ 100 milhões a mais do que o Palmeiras conseguiu com o Allianz Parque. O processo do Corinthians para obter um parceiro foi mais desgastante do que seu rival. A seguradora Allianz fechou rapidamente com a WTorre para explorar o nome da arena alviverde por 20 anos antes da construção do local.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.