Corinthians ganha e é campeão

O campeão paulista saiu dentro de campo. Com a vitória por 3 a 2 neste sábado, no Morumbi, o Corinthians conquistou o 25º título estadual de sua história. Depois dos corintianos terem aberto dois gols de vantagem no primeiro tempo, o São Paulo reagiu e conseguiu a igualdade na segunda etapa. Mas, no final, o time do Parque São Jorge marcou mais um e repetiu o placar do jogo de domingo passado.O Campeonato Paulista mais bagunçado de todos os tempos corria o risco de terminar sem vencedor no gramado. Bastava que o São Paulo ganhasse por um gol de diferença. Porém, com a bola no pé, os corintianos ?driblaram? o presidente da Federação Paulista de Futebol, Eduardo José Farah, e o Comitê Executivo da entidade, chutando para longe as interpretações do patético e confuso regulamento.O São Paulo já entrou em campo sem seu principal jogador, Kaká, que está contundido e vai, inclusive, desfalcar a seleção brasileira no amistoso em Portugal. Diante dos 71.736 torcedores que foram ao Morumbi, os corintianos se aproveitaram disso e levaram para casa o terceiro título em um ano (foram campeões do Rio-São Paulo e da Copa do Brasil em 2002, além do vice brasileiro).Confusão e gols - Com a bola em jogo, o ponto negativo foi o nervosismo dos atletas. A confusão em torno do regulamento e as trocas de provocações pesaram. Demorou só quatro minutos para que os jogadores demonstrassem toda a rivalidade que tomou conta da decisão.A confusão começou quando o volante Fabinho, do Corinthians, sofreu falta na intermediária. O atacante são-paulino Reinaldo aproximou-se e chutou a bola contra o adversário caído. Pronto! Foi suficiente para que começassem as trocas de empurrões. Resultado: Reinaldo e o lateral-esquerdo Kléber, que xingou muito, foram expulsos. A atitude do juiz Sálvio Spínola coibiu a violência, mas não o nervosismo.O técnico Geninho, que venceu o Paulista pela primeira na carreira, foi mais hábil e rápido para remontar seu time. Tirou o atacante Fumagalli e colocou o lateral Roger. Assim, a defesa e o sistema de marcação do Corinthians continuaram completos, prioridade para uma equipe que jogava pelo empate. Do outro lado, Oswaldo de Oliveira esperou. E errou. O São Paulo perdeu o domínio no meio-de-campo e ficou exposto aos contra-ataques do veloz ataque corintiano.A conseqüência veio quando as equipes deixavam a fase de estudos e se soltavam no gramado. O setor mais criticado do São Paulo nos últimos tempos - a defesa - mostrou porque carrega tal fama. Aos 20 minutos, Júlio Santos foi facilmente driblado por Liedson, que virou e chutou no canto esquerdo de Rogério Ceni para abrir o placar.Mas o pior ainda estava por vir para a torcida são-paulina. Já nos acréscimos da primeira etapa, aos 47 minutos, Rogério lançou Liedson na direita. Jean veio na marcação e, inexplicavelmente, passou da bola. O atacante corintiano avançou e cruzou. O meia Jorge Wagner ampliou para 2 a 0.No segundo tempo a história foi diferente. Logo aos 3 minutos, Luís Fabiano, na tradicional jogada em velocidade, diminuiu. Abalado, o Corinthians simplesmente parou de jogar e passou a assistir aos são-paulinos atuarem. Nem os berros de Geninho na beira do campo sacudiram os atletas. Então, o que estava iminente, aconteceu: o empate. Aos 16, o lateral Fabiano acertou bom chute de fora da área, que ainda desviou na defesa e encobriu o goleiro Doni.O resultado continuava levando a taça para o Parque São Jorge. Assim, o São Paulo foi para cima, mas parou no apito de Sálvio Spínola, que não marcou pênalti cometido por Ânderson ao desviar a bola com a mão. O árbitro se complicou no final da partida. Intimidado, transformou toda autoridade do início em covardia, permitindo diversas jogadas violentas. Sorte dele que Jorge Wagner, aos 43 minutos, depois de bela jogada ensaiada, determinou a vitória. O Corinthians é, de fato, o time a ser batido no Brasil.Ficha técnica:São Paulo: Rogério Ceni (Roger); Gabriel (Kléber), Júlio Santos, Jean e Fabiano; Fábio Simplício, Júlio Baptista, Ricardinho e Itamar; Reinaldo e Luís Fabiano. Técnico: Oswaldo de Oliveira.Corinthians: Doni; Rogério, Anderson, Fábio Luciano e Kléber; Fabinho, Vampeta e Jorge Wagner (Renato); Fumagalli (Roger), Liedson e Gil. Técnico: Geninho.Gols: Liedson, aos 20, e Jorge Wagner, aos 47 minutos do primeiro tempo; Luís Fabiano, aos 3, Fabiano, aos 16, e Jorge Wagner, aos 43 do segundo.Árbitro: Sálvio Spínola.Público: 71.736 pagantes.Renda: R$ 970.400,00. Cartão amarelo: Fabinho, Vampeta, Fabiano, Ricardinho, Jorge Wagner, Rogério, Ânderson Júlio Santos e Itamar.Cartão vermelho: Reinaldo, Kléber e Fábio Simplício.Local: Morumbi, em São Paulo.Pôster do campeão: 800 x 600    640 x 480

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.