Corinthians ganha fácil do Fortaleza

O Corinthians embalou de vez no Campeonato Brasileiro. Hoje, seguindo à risca o pedido de Antônio Lopes, o time ?atropelou? o Fortaleza, no Pacaembu, vencendo por fáceis 3 a 0. O líder soma, agora, 59 pontos e já está sem perder há 11 jogos, sendo três pela Copa Sul-Americana e oito pelo Nacional (seis vitórias e dois empates). Hoje, temia-se pela forte marcação que o Fortaleza costuma fazer quando atua como visitante ? o grande exemplo veio de uma semana atrás, no 0 a 0 contra o Santos, na Vila Belmiro. Os cearenses não deram chances ao atual campeão brasileiro, com formação completa. O sonho de reprise dos visitantes não passou de pura ilusão. No Pacaembu, realmente, o primeiro gol corintiano demorou para sair: só aos 44 minutos do primeiro tempo. Mas o time de Hélio dos Anjos, na melhor linguagem do futebol, não viu a bola. E o resultado poderia ter sido muito maior, tamanha a superioridade do Corinthians, que desperdiçou inúmeras chances de gol e quase não foi exigido defensivamente. ?Temos de mostrar quem manda no Pacaembu, marcar sob pressão, sufocar o Fortaleza?, pediu, na véspera do duelo, o técnico Antônio Lopes. Ou melhor, treinou desta forma. Costumeiramente, nem sempre o pedido de um treinador é refletido com perfeição dentro de campo. O Fortaleza terá de lamentar, pois hoje foi assim. Desde o primeiro minuto, seus zagueiros pegavam a bola e tinham de dar chutes para não perdê-la. Nilmar, Carlos Alberto, Roger, Rosinei, Hugo e Eduardo jogavam do meio-de-campo para frente. Logo aos 4 minutos, Roger enfileirou seus marcadores, tabelou com Nilmar e finalizou. Errou o alvo por muito. O lance, contudo, foi suficiente para deixar os mais de 20 mil pagantes entusiasmados. Aos gritos de ?Corinthians, Corinthians?, o time bombardeava o bom goleiro Bosco, que se virava para salvar o time, com defesas com as mãos, pés, corpo.Aos pessimistas, já vinha à mente o jogo diante do Atlético-MG (1 a 1), no mesmo Pacaembu lotado. Muitos gols desperdiçados e um empate frustrante, no fim do jogo. Aos otimistas, uma falta aos 44 minutos, lembrou o duelo contra o Fluminense na rodada passada. Na vitória por 2 a 0, Roger rolou para Gustavo Nery marcar. O pensamento positivo sobressaiu. Roger rolou, desta vez para Eduardo bater forte. A diferença é que o goleiro espalmou. Rosinei, atento, aproveitou o rebote: 1 a 0. Na volta para a etapa final, o discurso corintiano era ensaiado: de que o time tinha de decidir logo.Foram exatos cinco minutos para Rosinei arrancar do meio-campo e ampliar a vantagem. O goleador não teria tarde brilhante porque tomou o 3º cartão amarelo e não enfrenta o Santos, quinta-feira, na Vila Belmiro. Mas ainda gritaria gol: na bela jogada individual de Carlos Alberto, aos 17. Começava, ali, um show de passes, aos gritos de ?olé, olé?. Atordoado, o Fortaleza, sem conseguir ameaçar o gol defendido por Fábio Costa, vibrou quando o jogo acabou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.