José Luis Silva/Estadão
José Luis Silva/Estadão

Corinthians ganha, mas fica devendo futebol na Fonte Luminosa

Gol de Fábio Santos garante 2ª vitória do Alvinegro no Brasileirão

Vítor Marques, O Estado de S. Paulo

16 de maio de 2015 | 23h34

Depois da eliminação da Libertadores, a vitória do Corinthians por 1 a 0 sobre a Chapecoense ontem à noite só valeu pelos três pontos no Campeonato Brasileiro. O bom futebol passou longe de Araraquara.

A partida foi encarada como uma retomada, um recomeço, depois da derrota para o Guaraní. E pelo que se viu, Tite terá muito trabalho pela frente. O bom início na competição, duas vitórias por 1 a 0, não pode mascarar os erros da equipe.

Ficou claro que os jogadores ainda não se recuperam das queda na Libertadores. Até mesmo fisicamente. O time cansou no segundo tempo e nem as três alterações feitas por Tite surtiram efeito. As alterações táticas que o técnico fez também não funcionaram como ele gostaria. Isso ficou claro já no primeiro tempo.

O time mostrou uma mudança de postura. O Corinthians abdicou do controle do jogo (posse de bola de 45%) e apostou na velocidade. Algo natural e previsível para quem tinha Malcom na direita e Mendoza na esquerda.

Esse esquema deu certo só no início do jogo. O time de Tite criou duas chances de gol e só não abriu o placar antes dos 15 minutos graças à atuação do goleiro Danilo.

Mas equipe catarinense equilibrou as forças. Encaixou a marcação em Malcom, Apodi colou em Mendoza e Guerrero recebeu forte marcação. A Chapecoense desacelerou o jogo.

O gol de Fábio Santos, aos 27, foi obra do acaso. Ele chutou de longe, a bola desviou na nuca de Mendoza e engalou Danilo: 1 a 0. Para o lateral-esquerdo, valeu como um recomeço depois da expulsão contra o Guaraní na Libertadores.

O Corinthians caiu de produção quando passou a ter dificuldade de criação, e a bola não passava pelo meio-campo: Jadson pouco produzia. Elias também, não chegava na frente e não ajudava na ligação entre meio e ataque.

No outro lado, o veterano Roger deu trabalho à dupla de zaga formada por Gil e Edu Dracena e levou perigo a Cássio.

Tite mudou o time no segundo tempo porque sua equipe repetia os erros da etapa inicial. Ele tirou jogadores que já não estavam produzindo nada e colocou gás novo, tirando Emerson Sheik da penitência que é o banco de reservas.

Sheik, de saída do clube, não jogou nada e ainda conseguiu ser advertido com um cartão amarelo. Sem poder de fogo, a Chapecoense não conseguiu buscar o empate. O Corinthians venceu, ainda sob protestos de sua torcida.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasileirãoCorinthiansFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.