Corinthians inicia projeto Libertadores

Quando o presidente Alberto Dualib garantiu que o Corinthians de 2005 seria um time de galáticos com a chegada de Tevez e Carlos Alberto, não imaginava como cenário o estádio Nhozinho Santos de São Luís, no Maranhão. Mesmo maquiado às pressas com o dinheiro da prefeitura, o estádio está em situações precárias. O gramado péssimo, duro, seco. O sistema de iluminação fraco. Será neste palco mambembe que o time milionário da MSI terá de desfilar nesta quarta-feira, às 21h45, pela primeira etapa da Copa do Brasil - prioridade absoluta no primeiro semestre porque é vista como um atalho à Libertadores da América. Contra o Sampaio Corrêa, Tite terá de correr riscos que não queria para fazer valer o amplo favoritismo e vencer por dois gols ou mais para evitar o jogo da volta marcado para o dia 16 e, principalmente, mais desgaste psicológico para os seus atletas. "Eu já me conscientizei que as pessoas não entendem o que é uma equipe em formação. Para o torcedor é simples: o Corinthians tem de ganhar do Sampaio Corrêa, não importa como e por mais de um gol de diferença. Para mim, que sou o comandante, tenho a obrigação de ser racional mesmo cercado por uma estrutura irracional", desabafa o treinador.Tite sabe que se espera espetáculo do Corinthians amanhã. O adversário é fraco demais. O time de Flávio Campo fará a sua primeira partida oficial já que ainda não começou o Campeonato Maranhense. Sem dinheiro duas equipes desistiram e o torneio terá apenas oito times. A folha de pagamento do Sampaio é de apenas R$ 60 mil, pouco mais de um quinto do salário só de Tevez que recebe R$ 286 mil mensais. A folha corintiana é de R$ 1,8 milhão. "O Tite sabe que não temos entrosamento. Ele está tendo de queimar etapas. Todos nós gostaríamos de estar vencendo por goleada, mas não fomos nós que criamos as expectativas. Ninguém viu um jogador falando em galáticos, estrelas. Queremos eliminar o Sampaio Correa logo de cara. Mas se não der, vamos jogar de novo em São Paulo. Não vamos ligar para a pressão da imprensa", promete o meia Carlos Alberto.O Corinthians será a mesma equipe que atuou a maior parte do tempo contra o América. Gil com uma contratura na coxa direita está fora. Jô entrará no seu lugar. Apostando na ofensividade que todos cobram, o técnico dará mais espaço para Tevez. Ele estará liberado de qualquer obrigação tática. Terá todo o espaço para atuar da intermediária para a frente. O argentino de US$ 22 milhões tem conversado muito com Coelho e Vinícius, seus dois grandes amigos no elenco - sem o compatriota Sebastian que está regularizando a sua liberação burocrática. E quer fazer logo o seu primeiro gol com a camisa do Corinthians.Cansaço - Tevez ficou com dores nas duas coxas por causa do esforço que fez na sua estréia. Tite percebeu e o proibiu de ficar dando combate na intermediária. "O Carlitos ficará mais na frente e deixará para mim vir buscar a bola. É melhor. Ele não se cansa tanto", resume Jô que atuará como companheiro do argentino na frente.O Corinthians também liberará de vez os dois alas. Coelho e Vinícios foram orientados a atuar como pontas. O time paulista tentará atuar da mesma maneira com que o Grêmio venceu a Copa do Brasil em 2001, com o time marcando a saída de bola do adversário o tempo todo.No treinamento enquanto a equipe tem força física, o resultado é regular. Está cada vez mais claro faltar talento para o restante do time com exceção das estrelas. "Mesmo longe do que queremos, vamos assumir o risco de vencer e eliminar o Sampaio Corrêa. É nossa obrigação. Mesmo sem conjunto, só as vitórias acalmam com as cobranças precipitadas", resume Tite.

Agencia Estado,

02 de fevereiro de 2005 | 08h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.