Corinthians já pensa em outras opções

O Corinthians espera encerrar as negociações com Oswaldo de Oliveira até segunda-feira para anunciá-lo como novo técnico do time. Mas a demora para que o treinador resolva se quer mesmo ir para o Parque São Jorge ou se ainda tem vontade de ficar no Fluminense irritou um pouco os dirigentes corintianos, que começam a buscar outras alternativas em caso de reviravolta. Por precaução, o clube já sondou Levir Culpi, do Atlético-MG.Levir renovou contrato com o clube mineiro há poucas semanas, mas nunca escondeu o interesse de voltar ao futebol paulista. No ano passado, fez bom trabalho no São Paulo, com o qual conquistou o Campeonato Paulista e foi vice da Copa do Brasil. A terceira opção é Geninho, do Atlético-PR, supervalorizado com a chegada de sua equipe à final do Brasileiro, contra o São Caetano.A intenção do presidente Alberto Dualib e do vice-presidente de futebol Antônio Roque Citadini é acabar com o impasse ainda esta semana para iniciar o planejamento para 2002. A definição pode sofrer atraso, porém, se não houver acerto com Oswaldo ou Levir. Nesse caso, será preciso esperar o jogo final do Brasileiro, entre Atlético-PR e São Caetano, no próximo domingo, programado para o Anacleto Campanella, para que uma proposta seja feita a Geninho, que também passou a fazer parte da lista do Palmeiras."Gostaríamos de definir tudo o mais rápido possível, mas não temos tanta pressa, porque a base do elenco está formada. O time sofrerá poucas modificações", afirmou Citadini, que não confirmou nem quis fazer comentários sobre a sondagem a Levir Culpi e o interesse por Geninho.A diretoria do Corinthians pretende reduzir os custos com a comissão técnica e não oferecerá muito mais que R$ 100 mil para o treinador. Vanderlei Luxemburgo e seus assistentes representavam gasto de cerca de R$ 430 mil mensais. O objetivo é diminuir pelo menos 40% desse valor.Marcelinho Carioca e Edílson podem retornar e Rodrigo, atacante do Botafogo-RJ, interessa, mas os reforços para a próxima temporada não serão muitos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.