Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Corinthians joga contra o Grêmio para salvar o semestre

Time vai a Porto Alegre e tem de garantir classificação às semifinais para manter sonho de Libertadores

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - Sem ambições no Campeonato Brasileiro, o Corinthians aposta todas as suas fichas na Copa do Brasil. Hoje, diante do Grêmio, em Porto Alegre, o time tenta salvar seu segundo semestre. Avançar às semifinais é manter viva a chance de estar na Copa Libertadores pela quinta vez seguida. Cair é se despedir de 2013 com dois meses de antecedência, de forma melancólica e sem alcançar a meta estabelecida após as conquistas do Paulista e da Recopa.

A ambição por voltar à Libertadores é tão grande que até mesmo quem começa a dar os primeiros passos no clube não esconde a missão corintiana nesta reta final de temporada. “A gente sabe que, queira ou não, acaba o ano se cair (na Copa do Brasil). Para chegarmos na Libertadores pelo Brasileiro está bem complicado. É jogo de vida ou morte e temos de ir lá e fazer nosso papel”, enfatiza o goleiro Walter, escolhido para substituir Cássio, machucado. E o novo camisa 1 mostra firmeza para o duelo na Arena do Grêmio. “Se fizermos o mesmo que o time fez no primeiro tempo com o Criciúma, a gente avança.”

No Sul, empate sem gols leva a decisão para pênaltis; com gols dá vaga ao Corinthians; quem ganhar, estará na semifinal. Ciente de que igualdade com gols é suficiente, Tite até brinca ao resgatar a fórmula do “empatite’’. “(O empate serve) desde que seja com gols. Temos de fazer gol, é bom. Vou inchar a perna dos jogadores para fazer ao menos um, para acertarem naquele negocinho (o espaço entre as traves)”, afirma.

Tite acredita que, caso o Corinthians faça um gol, dificilmente sua defesa será vazada duas vezes. “Temos a defesa que melhor se defende no Brasileiro. Se repetir esse padrão e pudermos transformar as oportunidades em gols, temos chance de passar de fase”, observa, na expectativa de que as chances que surgiram no duelo com o mesmo Grêmio, há uma semana, se repitam. “Quero que a equipe repita as duas bolas quando estava 0 a 0 e que desta vez a gente saia na frente, que haja a efetividade. Que a bola caia no camisa 9, num (Alexandre) Pato, pois ele é efetivo.”

Tite usará um esquema mais cauteloso. Pato jogará com Romarinho na frente. Douglas será o armador, ainda sem saber se com Renato Augusto ou Edenílson a seu lado. A meta é explorar os espaços deixados pelo Grêmio. “O jogo tem caráter decisivo pela importância para a classificação da Libertadores, mas não na reconstrução de campanha, na continuação de trabalho,” diz Tite.

GRÊMIO

Renato Gaúcho faz mistério quanto ao companheiro de Rhodolfo, na defesa. Mas Werley, que se recupera de lesão na coxa, está relacionado. Na frente, o trio Barcos, Vargas e Kleber está confirmado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.