DANIEL TEOBALDO/FUTURA PRESS
DANIEL TEOBALDO/FUTURA PRESS

Corinthians joga mal e perde para o Atlético-MG com nova polêmica da arbitragem

Juiz anula gol do Galo após consultar auxiliar, mas não vê falta de Róger Guedes em lance que definiu o jogo

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2018 | 18h12

Sob os olhares do técnico da seleção brasileira, Tite, que esteve no estádio Independência, em Belo Horizonte, neste domingo, e com arbitragem polêmica, o Corinthians perdeu a sua invencibilidade no Campeonato Brasileiro ao ser derrotado por 1 a 0 para o Atlético-MG. A equipe do técnico Fábio Carille jogou mal, mas conseguiu suportar a pressão do Galo até aos 41 minutos do segundo tempo, quando sofreu um gol irregular de Róger Guedes (o ex-palmeirense fez falta em Mantuan).

+ Veja a tabela de classificação do Brasileirão

+ AO VIVO: Veja como foi Atlético-MG 1 x 0 Corinthians

Após três rodadas do Brasileiro, o Corinthians soma seis pontos. O Atlético-MG também tem seis pontos, mas perde no saldo de gols (4 a 1).

O Corinthians foi amplamente dominado pelo Atlético-MG no primeiro tempo. E o problema maior nem foi a contusão do lateral-direito Fagner, que sentiu dores na coxa direita e pediu para ser substituído com apenas oito minutos de jogo. Mantuan, que entrou no seu lugar, não comprometeu e teve atuação segura na defesa.

A principal falha do time de Fábio Carille estava no meio de campo. Mateus Vital e Rodriguinho eram facilmente marcados pelos defensores do Atlético-MG e mal pegavam na bola. Clayson também jogou muito mal  e teve atuação apagada. Sem conseguir encaixar um único contra-ataque, o Corinthians deu campo de jogo para o Atlético-MG e foi bastante pressionado pelo adversário.

Com mais posse de bola, o Atlético-MG era perigoso principalmente quando a bola caía nos pés de Otero. Aos 19 minutos, o venezuelano acertou o travessão de Cássio após cobrança de falta da intermediária. Depois, aos 35, conseguiu passar por três marcadores dentro da área e viu Cássio fazer grande defesa em cima da linha com os pés.

Aos 37 minutos, o lance mais polêmico do jogo. Otero cobrou escanteio, a bola foi desviada, resvalou na mão esquerda de Ricardo Oliveira e bateu na trave. Róger Guedes aproveitou o rebote e fez o gol. O árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva validou o lance, mas depois de consultar o auxiliar que fica atrás do gol anulou o lance. A torcida do Atlético-MG gritou "vergonha".

Na sequência, aos 44, o Corinthians teve um pênalti não marcado. Maycon foi puxado dentro da área por Patric, mas o juiz mandou seguir.

No intervalo, Carille substituiu Clayson por Emerson Sheik e o Corinthians melhorou. O time ganhou força e qualidade na transição ofensiva e passou a marcar mais presença no ataque.

Mas, a boa atuação não durou muito. A partir dos 20 minutos, o Atlético-MG retomou o controle da partida e voltou a pressionar o Corinthians. A equipe resistiu até os 41 minutos, quando acabou sofrendo o gol em mais um lance polêmico. Róger Guedes "atropelou" Mantuan e a bola foi para o gol. Os jogadores reclamaram muito de falta, mas de nada adiantou e o juiz, desta vez, não voltou atrás para corrigir o seu erro.

FICHA TÉCNICA

ATLETICO-MG

Victor; Patric, Bremer (Elias), Gabriel e Fábio Santos; Adilson, Gustavo Blanco (Matheus Galdezani), Luan (Alerrandro) e Otero; Róger Guedes e Ricardo Oliveira. Técnico: Thiago Larghi.

CORINTHIANS

Cássio; Fagner (Mantuan), Balbuena, Henrique e Sidcley; Gabriel, Maycon, Mateus Vital e Rodriguinho (Marquinhos Gabriel); Romero e Clayson (Emerson Sheik). Técnico: Fábio Carille.

Gol: Róger Guedes, aos 41 minutos do segundo tempo.

Juiz: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA).

Cartões amarelos: Gabriel, Romero, Róger Guedes, Adilson, Maycon e Ricardo Oliveira.

Público: 19.825 torcedores.

Renda: R$ 598.085,00.  

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.